Menu
quinta, 29 de julho de 2021
SEGOV - MICROCREDITO 27 A 29/07
Ciência e Tecnologia

Moto Z vs Moto G 4 Plus: conheça preços e detalhes dos celulares Motorola

O Moto Z é vendido por R$ 3.199 no site oficial, mas já é visto com desconto de R$ 120 em algumas lojas virtuais

21 outubro 2016 - 12h53Por Tech Tudo

A linha de celulares da Motorola conta com dois representantes de destaque em 2016: o Moto Z,mais recente deles, chegou ao país com a promessa de maior conveniência devido aos módulos vendidos separadamente. Já o Moto G 4 Plus aparece como opção de smartphone intermediário, porém com o "plus" no nome – ele tem leitor de impressões digitais.

O Moto Z é vendido por R$ 3.199 no site oficial, mas já é visto com desconto de R$ 120 em algumas lojas virtuais. Enquanto isso, o G 4 Plus sai a R$ 1.499 também no site da Lenovo, valor acima dos R$ 1.299 praticados por algumas lojas. Além do preço, o que mais os diferencia? Se você cogita comprar um dos modelos, agora é a hora de conhecer especificações e detalhes de cada um deles.

Design

O Moto Z, por ser um aparelho que se encaixa numa categoria mais elevada, possui o design mais bem trabalhado e utiliza metal em sua carcaça. Suas dimensões são de 153,3 x 75,3 x 5,2 mm e o que impressiona aqui é a sua espessura de apenas 5.2 mm. O modelo é um dos smartphones mais finos do mercado e pesa somente 136 gramas. A câmera traseira é em alto relevo, o que pode acabar incomodando alguns usuários.

Outras características do design do Moto Z são a ausência do conector P2 para fones de ouvido e a inserção dos pinos magnéticos em sua traseira, para a conexão dos módulos Moto Snaps.

Com o Moto G 4 Plus, a Lenovo – atual dona da marca Motorola – resolveu modificar alguns detalhes que foram a marca registrada da linha G em gerações anteriores. Infelizmente, para pior. A curvatura ergonômica, já bem conhecida na linha G, sumiu. Agora os aparelhos têm a traseira reta, e isso pode piorar a pegada. Além disso, a capinha de plástico pode ocasionar quedas, já que é mais escorregadia e frágil.

As suas dimensões são de 153 x 76,6 x 9,8 mm. Ou seja, ele é 4,6 mm mais espesso que o Moto Z. Cabem quase dois Moto Zs em sua espessura. O aparelho também é mais pesado, com 155 g. O uso de plástico no design acaba dando brecha aos concorrentes, já que também existem outros aparelhos intermediários com materiais mais nobres, como o Samsung Galaxy A5 e o Lenovo Vibe A7010.

Tela

Ambos possuem tela de 5,5 polegadas, mas as semelhanças terminam aí. O Moto Z utiliza um painel Super Amoled, enquanto que o Moto G 4 Plus usa um LCD IPS. A resolução é outro ponto com diferença importante: o Moto Z possui de 2560 x 1440 pixels (Quad HD) e o Moto G4 Plus, de 1920 x 1080 pixels (Full HD). Ou seja, o Z, até por ser um top de linha, sai na frente.

A tela de 5,5 polegadas é a única semelhança entre os dispositivos, quando o assunto é display. O Moto Z aposta num painel Super Amoled, já bastante popular entre os telefones da Samsung, enquanto o Moto G 4 Plus utiliza um painel com tecnologia LCD IPS. Em termos de resolução, o Z sai na frente, com 2560 x 1440 pixels (Quad HD), contra os 1920 x 1080 pixels (Full HD) do Plus.

Os displays contam com a proteção Gorilla Glass contra arranhões e pancadas. O Moto Z, até por ser mais recente, tem a geração mais recente da tecnologia, enquanto o G 4 Plus utiliza o tratamento especial anterior.

Câmera

A câmera do Moto Z possui 13 MP, abertura f/1.8 (o que é ótimo, especialmente em ambientes com baixa iluminação), foco a laser, estabilização óptica de imagem (OIS) e flash LED duplo. Além disso, há recursos de localização geográfica, detecção de rosto, modo panorâmico e HDR.

Para um top de linha, a câmera agrada, já que produz imagens satisfatórias mesmo em ambientes com iluminação precária. O foco também é bastante rápido e o app de câmera conta com um modo manual que permite uma maior gama de configurações.

Na gravação de vídeos, a câmera do Moto Z consegue filmar em 2160p com 30 FPS e em 1080p a 60 FPS (quadros por segundo), além do recurso HDR. A câmera frontal conta com 5 MP, abertura f/2.2, flash LED e capacidade de gravação em 1080p.

Já o Moto G 4 Plus possui câmera principal de 16 MP e abertura de f/2.0 com detecção de rosto e foco à laser, flash LED duplo de dois tons, geolocalização, HDR e modo panorama. A câmera frontal tem 5 MP também, abertura f/2.2 e HDR. Nas filmagens, o Moto G 4 Plus pode gravar em Full HD (1080p) a 30 FPS.

A câmera utilizada neste celular produz imagens com boa resolução e foco razoável, mas pode enfrentar problemas em ambientes pouco iluminados. O pós-processamento por software às vezes retira o contraste das cores. Para um intermediário que  custa cerca de R$1.500, a câmera do Moto G 4 Plus consegue corresponder de forma satisfatória.

Especificações técnicas

Obviamente, por ser o smartphone top de linha, o Moto Z é quem tem as melhores especificações técnicas. O processador é um Snapdragon 820 quad-core, onde dois núcleos atuam a 2.15 GHz e os outros dois trabalham na frequência de 1,8 GHz. A GPU usada é uma Adreno 530.

O Moto Z possui 4 GB de memória RAM, o que é ótimo para o desempenho, especialmente num cenário de multi-tarefas. No quesito armazenamento interno, o aparelho conta com 64 GB e slot para cartão de memória de no máximo 256 GB. O ponto negativo em sua configuração de hardware é a bateria, de apenas 2.600 mAh. Em um celular top de linha, com tela de 2560 x 1440 pixels, não é o suficiente.

Porém, como diferencial, o modelo aceita os Moto Snaps, que são os acessórios que se interligam ao celular por meio dos conectores magnéticos presentes na traseira do aparelho. Atualmente, existem: o speaker JBL SoundBoost, o projetor Moto Insta-Share, a bateria externa Incipio offGRID Power Pack e a câmera Hasselblad True Zoom. Além das capinhas, chamadas de Style Shells.

Cada um dos Snaps é vendido separadamente ou pode ser adquirido em um combo com o celular. A utilização é bastante prática, bastando conectá-los ao aparelho e o reconhecimento é quase que imediato. Porém, a sua real utilidade ainda é questionável. No caso do Moto Z, talvez o snap de bateria seja o mais útil, visto que a bateria interna tem baixa autonomia. Porém, seu preço é salgado: R$ 399,00.

O Moto Z chega de fábrica com o Android 6.0.1 Marshmallow e já tem atualização garantida para o Android 7.0 Nougat. Por fim, o celular não tem conector P2 (áudio de 3,5 mm) para fones de ouvido e traz uma porta USB-C, em vez da tradicional micro-USB.

Já o Moto G 4 Plus é equipado com um chip bem mais modesto, o Snapdragon 617 octa-core, com quatro núcleos Cortex-A53 de 1,5 GHz e quatro núcleos Cortex-A53 de 1,2 GHz. São 2 GB de memória RAM e armazenamento interno de 32 GB, podendo ser expandido via cartão microSD para até 256 GB.

A bateria é maior que a do Moto Z, chegando a 3.000 mAh, que garante mais tempo longe da tomada, ainda mais se levarmos em consideração que o aparelho possui um processador mais econômico e uma tela com resolução mais baixa.

O Android que vem de fábrica instalado no Moto G 4 Plus é o 6.0.1 Marshmallow, com atualização garantida para o 7.0 Nougat. Diferentemente do Moto Z, o modelo traz o conector para fones de ouvido e uma porta MicroUSB.

É importante salientar também que os dois aparelhos possuem leitor de impressões digitais. Esta é uma função que adiciona mais uma camada de praticidade na experiência do usuário. Depois que você se acostuma, é difícil voltar a usar um celular sem esse recurso.

Preço e custo-benefício

Após analisar a ficha técnica de ambos os celulares, vimos que os dois são bons investimentos nas categorias em que competem. Para quem deseja um celular com desempenho elevado, elegante e fino, o Moto Z atende todas essas expectativas. Só peca na bateria, mas, isso dá pra contornar com o snap de bateria externa, incluso no kit do produto.

O Moto G 4 Plus, por sua vez, atende a um público que deseja um celular bom mas não pode gastar mais do que R$ 1.500. Seu desempenho é bastante satisfatório, a câmera é excelente para a categoria, a bateria tem boa autonomia e carregamento rápido e como um extra, o modelo apresenta o leitor de impressão digital.

 

Leia Também

Rio de Janeiro espera acabar com uso da máscara em novembro
Geral
Rio de Janeiro espera acabar com uso da máscara em novembro
Trio de encapuzados sequestra homem após tiroteio em Ponta Porã
Interior
Trio de encapuzados sequestra homem após tiroteio em Ponta Porã
Pacientes do interior ocupam UPAs de Campo Grande enquanto aguardam vaga em hospitais
Cidade Morena
Pacientes do interior ocupam UPAs de Campo Grande enquanto aguardam vaga em hospitais
Pais se revoltam com retorno presencial obrigatório na rede estadual de ensino em MS
Cidades
Pais se revoltam com retorno presencial obrigatório na rede estadual de ensino em MS