(67) 99826-0686
COLUNA

Reflexões

por Marcelo A. Reis

A demissão do Levy

Caberá ao Presidente assimilar as REALIDADES e gerenciar as ações governamentais

18 JUN 2019
Marcelo A. Reis
08h52min

Caro leitor ; 

A exoneração do Presidente do BNDES era a cronica de uma morte anunciada .Barbada em uma ,hipotética, bolsa de aposta. Não falo da competência de Joaquim Levy, tão cantada em prosa e verso,mas da falta de tato, de percepção política dele e do Ministro Paulo Guedes .Bolsonaro tem entranhado, está no seu sangue , valores que o militar carrega desde que entra em qualquer das escolas militares e carrega até a última morada ; o cemitério. Hierarquia, disciplina ,unidade de conduta e coordenação de ação. Deu a Guedes autonomia total , mas para acertar.

Tal NÃO existe para errar .Aí o Chefe intervém. Sinalizou que não queria o Levy por ter sido Ministro de um Governo PTista e Secretário do Cabral.  Sinalizou e o Guedes NÃO entendeu ou fez de conta . Estava marcado. O Levy achou,imaginou que tinha carta branca .É a famosa ONISCIÊNCIA/ONIPOTÊNCIA dos altos tecnocratas.

Idealizam algo e a REALIDADE que se adeque aos seus delirios. Nomeia um "inimigo".

Numa visão de conflito , de combate (o Presidente é antes , e acima de tudo, militar) , seria um elemento infiltrado para "detonar" o Governo  desde o interior do mesmo .Resolve passar por cima da promessa de Campanha de abrir "Caixa Preta" do BNDES. Desconhece o que para o Militar significa a "Palavra Empenhada" . Bolsonaro, certo pu errado, vai procurar sempre atingir e realizar o que prometeu na disputa eleitoral.

Não analiso ,já o disse, as qualidades, as competências do Sr. Joaquim Levy. Lembro - me do ex Deputado Federal , ja falecido, Giulio Caruso ,à epoca Secretário de Transportes do Estado do Rio,quando Eu quis nomear um excelente tecnico,claramente vinculado aos nossos adversários:

"Marcelão para errar com os deles , vamos errar com os nossos!"

Buscar um quadro vinculado , ou periférico, ao PT foi suicidio.

Caberá ao Presidente assimilar as REALIDADES e gerenciar as ações governamentais. 

Aí já é assunto para outra conversa. 

Até a próxima

Veja também