(67) 99826-0686
Festival inverno 18/07 a 19/07
COLUNA

Top Play

Games, geeks, diversão e muito mais

Momo: alerta aos pais

A criatura monstruosa não é nenhum ser sobrenatural, mesmo assim é importante dar atenção ao conteúdo assistido pelas crianças.

18 MAR 2019
Fernando Fenero
12h20min

A internet poderia ser uma ferramenta maravilhosa, mas infelizmente sempre tem um espírito de porco para estragar a brincadeira. Agora o que se mais discute na web são os “Desafios da Momo”, e nessa coluna de hoje vamos tentar esclarecer para os pais de onde surgiu, e o que existe de verdade e mentira na história. 


A Momo nasceu como uma escultura exibida pelo museu Vanilla Gallery em Tóquio no Japão, o artista fez essa bizarrice e chamou sua obra de Mulher Pássaro, e isso pode ser conferido facilmente. Podemos então confirmar que não existe nada de sobrenatural nessa coisa feia certo? 

Vanilla Gallery, o museu japonês onde a Mulher Pássaro está sendo exibida. 

 


Evidenciar isso é importante, para entender exatamente da onde vem o perigo da Momo, que acaba sendo fortalecida pela desinformação e falta de diálogo entre as crianças e seus responsáveis. 
Em 2018 começou a divulgação de uma lenda urbana no melhor estilo Loira do Banheiro, onde as pessoas alegavam ter ligado para a Momo e seguido orientações para cometer malfeitos e indicando suicídio. Tais números são quase sempre ligados ao DDI 81, código correspondente ao Japão. 



Assim como a Loira do Banheiro, tem quem jure de pé junto que realmente falou com a Momo, mesmo com os problemas óbvios como realizar uma chamada internacional e se comunicar em japonês, mas quando o boato cresceu, muita gente babaca encontrou ali sua inspiração.


Vários youtubers divulgaram vídeos ligando para a Momo, boa parte desse conteúdo é obviamente ficcional, mas isso não é avisado nos vídeos, e pode deixar uma criança confusa. Outro problema é a divulgação de números nacionais no Whatsapp, que acabam sendo dessas pessoas que por pura babaquice divulgam os números e depois atendem as ligações das crianças para “zoar” pedindo para se ferir ou atacar irmãos menores na base da ameaça.

Esse tipo de coisa aconteceu muito pouco, mas é obviamente caso de polícia. Se por acaso você faz parte dessa pequena minoria, o certo é procurar a polícia com os números e de preferência com as gravações das ligações.  Reforçando: isso aconteceu pouquíssimas vezes, e tem o mesmo perigo de qualquer outro trote bem estruturado.
Por fim, agora circula nas redes sociais um vídeo onde a Momo aparece entre clips da música Baby Shark e outros de slime. Isso tem circulado no Whatsapp, e a suposta criatura pede para que as crianças cortem os pulsos ameaçando em caso de desobediência. 

Houve um caso em Pernambuco onde uma criança realmente se feriu seguindo orientações recebidas de um perfil fake no Facebook, por isso é MUITO importante acompanhar o que seu filho acessa na internet, e de preferência não deixar usar redes sociais antes dos 14 anos. Um ambiente como o Facebook não possui o mesmo cuidado que o Youtube em preservar as crianças de conteúdos nocivos. 


De fato, esse tipo de conteúdo escondido no Youtube não foi localizado nem pela empresa, nem na minha mais recente pesquisa, então leva a crer que é mais um daqueles avisos para colocar os pais de sobre aviso sem necessidade.


De qualquer maneira, é uma boa idéia conversar com as crianças sobre os conteúdos da internet, dos perigos que envolvem a rede, e manter esse canal de diálogo aberto para que você seja procurado sempre que o menor se sentir ameaçado.


Usar o aplicativo Youtube Kids ao invés do Youtube “normal” também evita problemas, uma vez que a plataforma Kids toma muito mais cuidado com o conteúdo familiar. 

Veja também