(67) 99826-0686
Gov - Agosto Lilas 09 a 24/08
COLUNA

Pelos Cotovelos

Na escolha de alianças, chance de eleger deputado ganha mais peso que comandar MS

É como se fosse uma aposta e espaço na chapa minoritária garantisse mais chances de lucro

20 JUL 2018
Diana Christie, Rodson Willyams, Thiago de Souza e Vinícius Squinelo
23h00min

O que os partidos menores querem dos grandes? Condições de eleger deputados federais. Essa é a chave que leva o DEM a demorar tanto para escolher qual caminho seguir. O PSB também segue na mesma linha, quer garantir a eleição de Elizeu Dionizio. E também foi o que Alcides Bernal colocou na mesa quando entregou o PP ao tucanato de Reinaldo Azambuja.

Em jogo

Por trás, o interesse é o fundo partidário. Como resume a deputada federal Tereza Cristina (DEM): 'essa é uma discussão muito séria'. Em outras palavras, é como se você tivesse R$ 100 mil para investir. Você pode apostar em um investimento de baixo risco, em que há garantia de 10% de retorno e quase certeza de que a grana volta, ou apostar tudo valendo lucros em dobro. Problema é que se investir tudo, a chance de ficar sem nada é de 80%. Assim funciona a política. E o dinheiro é o fundo partidário, que sai do bolso do eleitor.

Escolha de Sofia

Assim é o dilema do DEM, que se aliou a Geraldo Alckimin em âmbito nacional, mas tem medo de fechar com Azambuja em Mato Grosso do Sul. Com o ninho tucano congestionado por nomes de peso na política, fazer deputados federais por lá talvez não seja muito fácil, mesmo que os postulantes do partido obtenham votações expressivas na urna.

Divisão

O partido está rachado, também, por motivos mais estruturais, por assim dizer. No caso, a chegada de dois nomes historicamente próximos de André Puccinelli (MDB): Tereza Cristina e Barbosinha em uma legenda que andava abraçada com os tucanos aqui no Estado. Ambos com mandato têm voz ativa na sigla e preferem o italiano.

O contra

Eles batem de frente com o cacique democrata Zé Teixeira, com seis mandados na Assembleia e um dos mais antigos filiados. Ele esteve sempre ligado ao governador e deixou isso bem claro desde o início da disputa. Mandetta, por sua vez, pode ser chamado de 'isentão'. Ele quer o que for melhor para seu projeto político e vai andar com quem garantir isso. 

'Ser ou não ser'

E como o assunto é o vai e vem do DEM, legal revelar que Teixeira, pessoalmente, diz ser contra

(Foto: Laycer Tomaz/Câmara dos Deputados)

Veja também