Menu
Busca quarta, 19 de fevereiro de 2020
COLUNA

Top Pipoca com Pedroka

Pedro Martinez

1917: uma aventura bem específica...

A Primeira Guerra em foco

24 janeiro 2020 - 09h36

Em Abril de 1917, um jovem soldado, o Cabo Blake (Dean-Charles Chapman), recebe uma missão perigosa. Ele deve levar uma mensagem pelas linhas inimigas a um batalhão dos Devonshires, contrariando um ataque planejado para o dia seguinte.

Os alemães acabaram de se retirar para a linha Hindenburg - mas o reconhecimento aéreo revelou que sua retirada é uma armadilha. Se o avanço seguir, 1.600 homens podem morrer, incluindo o irmão de Blake entre eles. Cruelmente, seu comandante, general Erinmore (Colin Firth), o escolheu para essa tarefa precisamente porque ele tem esse incentivo desesperado.

Blake leva com ele apenas mais um soldado, Cabo Schofield (George McKay). Com dificuldade, eles entram em um terreno baldio devastado de arame farpado, cadáveres e crateras de conchas, abrindo caminho pelas trincheiras alemãs. Eles descobrem que a antiga linha de frente foi realmente abandonada - mas os perigos que enfrentam estão apenas começando.

Desde o início, o filme nos dá certa agonia, seguindo uma narrativa linear, acompanhando incansavelmente nossos heróis em sua corrida, num país devastado pela guerra, contra o relógio.

Para nos levar à jornada o mais imersivamente possível, tudo é filmado de um único ponto de vista. Apenas uma câmera (ao que parece) seguindo Blake e Schofield de perto o tempo todo como uma terceira parte invisível da viagem: às vezes, recuando diante deles quando eles correm por uma trincheira, às vezes seguindo-os intimamente por trás e às vezes acompanhando-os - apenas ocasionalmente olhando em volta para nos mostrar o que eles vêem.

E essa não é a única estilização extrema. Também não há cortes ou edições aparentes, de modo que tudo parece ser uma tomada demorada, no presente contínuo, ininterrupto.

De fato, as filmagens (muitas das quais em Salisbury Plain e em outros locais britânicos, complementadas por cenários no Shepperton Studios) levaram 65 dias em cenas que duraram sete ou oito minutos, depois foram costuradas invisivelmente pelo diretor de fotografia Roger Deakins e pelo editor Lee Smith.

Dado o que pode ser feito agora com a tecnologia digital, simplesmente juntar cenas assim para que pareçam contínuas talvez não seja um desafio né?
No entanto, o efeito é muito mais poderoso do que os de super-herói, convencendo-nos de que estamos experimentando o que acontece no filme de uma maneira quase sem medida. É especialmente adequado para uma história como essa; uma corrida simples para atingir um objetivo antes que seja tarde demais.

Quando Blake e Schofield lutam dolorosamente pelas barricadas de arame farpado, a câmera os acompanha misteriosamente sem obstruções e você não pode deixar de se perguntar como.

O filme é emocionante, passando efetivamente de um cenário chocante para outro, e adicionando a narrativa também algumas participações especiais - Andrew Scott como um tenente cínico e dissoluto, Mark Strong como um capitão severo, mas simpático e Benedict Cumberbatch como um coronel irritado e ambicioso .

As cenas do campo de batalha são espetaculares. No geral, os aspectos de perseguição e missão deste filme o tornam muito mais agitado do que estamos acostumados em filmes ambientados nas trincheiras estáticas da Primeira Guerra Mundial mas Sam Mendes disse que essa mobilidade foi precisamente o que o atraiu para a história.

Mendes dedica o filme a seu avô, Alfred Mendes, que lutou na guerra, e ele incorporou seus causos.

1917 é uma história de indivíduos tentando heroicamente impedir um ataque condenado para salvar um irmão.

5 pipocas!

Em cartaz nos cinemas.