Menu
terça, 15 de junho de 2021
CORONAVÍRUS

Espírito Santo recua sobre ajuda humanitária, mas São Paulo sinaliza receber paciente de MS

Geraldo Resende havia anunciado que ES poderia receber pacientes da covid-19 de MS

03 junho 2021 - 19h05Por Diana Christie

Apesar da expectativa da secretaria de Saúde de Mato Grosso do Sul de enviar pacientes da covid-19 para o Espírito Santo, o estado não realizará a ajuda humanitária neste momento. O anúncio é do governador Renato Casagrande (PSB), em publicação no Twitter.

“Necessário esclarecer que o Espírito Santo não vai receber, neste momento, nenhum paciente COVID de outro estado, como noticiado. Seguimos trabalhando e garantindo que todo capixaba tenha o atendimento necessário”, esclareceu.

Geraldo Resende havia anunciado tratativas com a secretaria estadual capixaba durante divulgação do boletim epidemiológico de ontem (2), no entanto sem especificar números de leitos de UTIs a serem disponibilizados.

Rondônia, por outro lado, recebeu uma paciente de Bonito de 41 anos e liberou mais nove leitos na capital, Porto Velho. O socorro durante o colapso do sistema público de MS é uma retribuição de ajuda dada em momento anterior da pandemia.

Nas redes sociais, a repercussão da declaração de Casagrande dividiu opiniões. Alguns eleitores concordam com o governador, que não é o momento de receber mais pacientes, enquanto outros acreditam que é sempre importante ajudar.

A maioria, no entanto, cobra que o governador do Espírito Santo se recuse a receber a Copa América. Mesmo que os jogos sejam sem público, infectologistas temem a chegada de mais variações do novo coronavírus ao Brasil.

Ajuda de outros estados

O secretário de MS, Geraldo Resende, explica que a situação também não é favorável no Espírito Santo neste momento, por isso o recuo, mas que as negociações com outros estados continuam.

“Houve uma mudança, mas vamos continuar as tratativas a nível de governador para que outros estados nos aceitem, com o encaminhamento de alguns pacientes da covid-19 para desafogar Campo Grande”, explicou.

Segundo Resende, a conversa com São Paulo está bastante avançada, com a possibilidade de envio de pacientes para cidades do interior, próximas da divisa, onde os pacientes podem ser transferidos através de transporte terrestre.

“Mas é preciso convencer a população a seguir com afinco os decretos municipais e dar a sua contribuição, principalmente neste feriadão, para que diminuam os eventos que contribuem com o crescimento de casos, com novos recordes de pacientes da covid”, completou.