Menu
quinta, 22 de outubro de 2020
CORONAVÍRUS

Laboratórios começam a definir preço de vacinas da covid-19

Valores ainda estão em estudo, mas variam de 4 a 37 dólares a dose, em negociações com governos

27 setembro 2020 - 07h57Por Nathalia Pelzl

Atualmente, 11 vacinas de prevenção à covid-19 estão na fase 3 de estudos clínicos, que avalia a eficácia e a segurança do produto em milhares de pessoas.

A divulgação de resultados preliminares destes testes está prevista para começar entre outubro e novembro.

Muitas empresas, como a Johnson & Johnson e a AstraZeneca se comprometeram a comercializar a vacina sem lucro durante a pandemia.

Ainda assim, os preços variam muito entre as farmacêuticas. Devido à pandemia, as negociações de venda estão ocorrendo diretamente com os governos ou grandes grupos que têm o objetivo de garantir o acesso igualitário ao imunizante em todo o mundo. No momento, não há previsão de venda – nem preço – ao consumidor final.

A empresa de biotecnologia americana Moderna, pioneira no início dos testes em humanos, informou recentemente que irá cobrar de 32 a 37 dólares (equivalente a 177 a 205 reais) pela dose de sua vacina contra a grande, poderão ter um preço mais baixo.

No acordo com os Estados Unidos, a dose da AstraZeneca custa cerca de 4 dólares (cerca de 22 reais). Segundo informações do Daily Mail, os países da União Europeia pagarão 2,20 libras por dose da vacina Covid-19 (cerca de 15 reais).

No Brasil, o governo liberou 1,5 bilhão de reais para a compra da vacina de Oxford, mas o acordo prevê a transferência de tecnologia para a Fiocruz e não equivale apenas à compra das doses. A vacina desenvolvida pela Johnson & Johnson, que acaba de chegar à fase 3 de testes clínicos, custará em média 10 dólares (cerca de 55 reais) no acordo com o governo americano. O regime de aplicação em avaliação é o único, até o momento, que prevê apenas uma dose.

O imunizante da startup de biotecnologia Novavax, tem, para os Estados Unidos, um custo aproximado de 16 dólares (cerca 89 reais) por dose.

A um jornal chinês, o CEO da farmacêutica estatal chinesa Sinopharm, Liu Jingzhen, disse que a vacina contra a Covid-19 chegará ao mercado em dezembro a um custo inferior a 145 dólares pelo regime de duas doses (aproximadamente 806 reais).

Um valor muito mais alto do que o das outras candidatas. Em entrevista à rádio francesa France Inter, um executivo sênior da Sano disse que o imunizante desenvolvido em parceria com a GSK, que ainda está na fase de testes 1/2, custará menos de 10 dólares (cerca de 55 reais) a dose. As informações foram divulgadas pela revista Veja.