Menu
terça, 24 de novembro de 2020
CORONAVÍRUS

MS não tem 2ª onda de Covid hoje, afirma Fiocruz

15 Estados e 10 Capitais estão com nova avalanche da doença; Campo Grande está livre

21 novembro 2020 - 09h24Por Vinícius Squinelo

Mato Grosso do Sul não tem, neste momento, uma segunda onda da Sars-CoV-2, o novo coronavírus. É o que aponta levantamento feito pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), ligada ao Ministério da Saúde, que tem como base dados oficiais de cada Estado e cidade brasileira.

Até ontem (20), MS registrava 90.765 contaminados pela covid-19 e 1.713 mortes pela doença. Porém, conforme as autoridades, inclusive a Secretaria de Estado de Saúde, o Estado ainda se encontra na primeira onda da covid-19.

Segundo a Fiocruz, os 15 Estados com tendência moderada ou forte de alta de casos são: Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Para realizar o levantamento, a Fiocruz levou em conta registros oficiais de casos de SRAG (síndrome respiratória aguda grave), incluindo a covid-19.

Mas é importante entender que há diversos níveis de espalhamento da doença. Por isso, a Fiocruz divide essas tendências em basicamente quatro grupos: curto prazo, longo prazo, moderada e forte.

Primeiro exemplo: uma tendência moderada de crescimento de curto prazo significa que a localidade registrou aumento de casos nas três semanas anteriores e a probabilidade dessa situação continuar assim vai de 75% a 95%. É o caso do noroeste de São Paulo, do nordeste de Goiás e do norte do Piauí, por exemplo.

Segundo exemplo: uma tendência forte de longo prazo significa que houve aumento em seis semanas anteriores e a probabilidade de a situação continuar assim passa de 95%. É o caso do Acre e de Santa Catarina praticamente inteiros, além da região do Jequitinhonha em Minas Gerais e do oeste do Rio Grande do Norte, entre outros.

Cada um desses 15 Estados tem pelo menos uma macrorregião com aumento de notificações de doenças respiratórias (e por extensão, de covid-19). Em Minas Gerais, há alta em 7 das 14 áreas do Estado. Em São Paulo, em 10 das 17. Em Santa Catarina, em 5 das 7. Na Bahia, em 1 das 9, mas esta é a mais populosa do Estado por incluir a capital Salvador.

As dez capitais com tendência de alta são: Belo Horizonte, Florianópolis, Goiânia, João Pessoa, Natal, Palmas, Rio Branco, São Luís, Vitória e região central do Distrito Federal.