TJ BANNER JUNHO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
sábado, 25 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
CORONAVÍRUS

Ômicron está arrasando MS; secretários indicam medidas para conter covid e influenza

Nos últimos sete dias, houve grande aumento de casos e óbitos

19 janeiro 2022 - 10h10Por Rayani Santa Cruz

Durante live nesta quarta-feira (19), a secretária-adjunta da Saúde, Crhistine Maymone junta ao presidente do Prosseguir, secretário de Infraestrutura Eduardo Riedel indicaram aumento expressivo de casos de covid-19 e influenza em Mato Grosso do Sul. A variante ômicron já chegou ao Estado e é altamente transmissível. 

Nos últimos sete dias, houve alta de casos e óbitos, e os gestores indicam que a população deve se vacinar, usar máscaras e tomar cuidados, além de fazer o isolamento em caso de contaminação. A continuidade dos cuidados é essencial frente a nova variante da covid que circula no Estado.

“A ômicron é mais transmissível. Abrimos drives e estamos com média móvel de casos altos nos últimos sete dias”, disse a secretária-adjunta. 

Após festividades de final de ano, o Estado teve aumento expressivo de casos positivos.

Até o momento, são 204 internados pela covid em MS, com mais quatro óbitos nas últimas 24h. Total de mortes é de 9.768 desde o início da pandemia. 

Campo  Grande contabilizou mais 78 novos casos de covid. 

Influenza

Morreram mais cinco pessoas pela influenza em MS. A taxa de letalidade está em 14,2%.

São 281 casos confirmados. Mais 17 novos casos registrados hoje com média móvel de 10,9 casos. São 40 óbitos confirmados até o momento. 

Sem medidas restritivas 

“Vivemos um novo momento, e a nossa população está completamente imunizada e faz a diferença neste momento em que a ômicron tem uma dimensão grande de transmissão”, disse Riedel, que também reforçou que não há grande ocupação de leitos em MS.

Riedel voltou a afirmar que não está prevista nenhuma medida restritiva, pois o governo está monitorando casos e ocupação global de leitos. 

Ele diz que se houver necessidade o Governo do Estado vai retomar restrições, mas que agora  "não é o momento."