Menu
terça, 24 de novembro de 2020
CORONAVÍRUS

Polêmica: fabricante da CoronaVac defende segurança da vacina

Estamos convencidos da segurança da vacina', anunciou Sinovac

10 novembro 2020 - 12h52Por Rayani Santa Cruz

A companhia farmacêutica chinesa Sinovac defendeu nesta terça-feira (10) a segurança da vacina contra o novo coronavírus que está desenvolvendo, a Coronavac, após os testes terem sido suspensos no Brasil. As informações são do R7.

"O estudo clínico no Brasil está sendo realizado de maneira rigorosa e conforme os requisitos de boas práticas clínicas. Estamos convencidos da segurança da vacina", indicou a empresa, por meio de comunicado.

"Após nos comunicarmos com nosso parceiro brasileiro, o Instituto Butantan, soubemos que sua diretoria acredita que esteve evento adverso grave não está ligado à vacina", completa a nota.

Segundo o R7, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou ontem a suspensão temporária dos testes no país, para avaliar os dados observados até o momento e julgar o risco ou benefício da continuidade do estudo. "Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado", indicou o órgão brasileiro, por meio de comunicado.

A Anvisa ainda destacou que, segundo regulamentos nacionais e internacionais de Boas Práticas Clínicas, os dados sobre voluntários de pesquisas devem ser mantidos em sigilo, pelos princípios de confidencialidade, dignidade humana e proteção dos participantes.

De acordo com a agência, o "efeito adverso grave", que não foi relatado, aconteceu em 29 de agosto. A paralisação, com isso, interrompe testes com cerca de 9 mil voluntários no país.

Ainda segundo a Anvisa, os eventos que estão incluídos na classificação utilizada para parar os testes estão os casos de morte, situação potencialmente fatal, incapacidade ou invalidez persistente ou significativa, internação hospitalar do paciente, entre outros.

Atualmente, há dez vacinas contra o novo coronavírus na terceira e última fase de testes clínicos. No desenvolvimento de cinco delas há empresas chinesas parcial ou totalmente envolvidas.