Menu
quinta, 05 de agosto de 2021
CORONAVÍRUS

Variante em circulação no MS é 2,4 mais transmissível e SES faz alerta

"Precisamos restringir a mobilidade para que possamos frear o alto número de infecções, hospitalizações e óbitos”, declarou secretaria adjunta da SES, Christine Maymome

14 junho 2021 - 14h32Por Nathalia Pelzl

Durante transmissão da live nesta segunda-feira (14), a secretaria adjunta da SES, Christine Maymome destacou mais uma vez a necessidade da população respeitar as medidas restritivas. 

"Estamos enfrentando uma variante que é 2,4 mais transmissível do que as anteriores. Precisamos restringir a mobilidade para que possamos frear o alto número de infecções, hospitalizações e óbitos”, declarou.

Atualmente, a maior incidência de casos da Covid 19 está na faixa etária de 30 a 39 anos de idade (23,3%). 

É o que mostra o boletim epidemiológico desta segunda feira (14), cujos registros apontam mais 915 novos casos e 40 óbitos registrados nas últimas 24 horas.

De acordo com os dados apresentados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) existem 3.999 amostras em análise no Lacen e mais 8.704 casos aguardando encerramento pelos municípios. 

A taxa de contágio está em 1,12, e a taxa de óbitos em 2,4. Desde o início da pandemia Mato Grosso do Sul confirmou 314.445 pessoas infectadas, dos quais 7.517 perderam a luta para o coronavírus. 

A atual situação preocupa o Governo do Estado. 

Na avaliação do Secretário de Saúde, Geraldo Resende as medidas mais restritivas que entraram em vigor no último domingo (13) são o último esforço com a população.

"Nossa esperança é a adesão das pessoas às restrições que entraram em vigor no Estado”, declarou, ressaltando que sem a cooperação dos sul-mato-grossenses, o Estado não conseguirá frear o contágio da doença.

Conforme o boletim epidemiológico, Mato Grosso do Sul conta com 18.884 casos ativos da doença, sendo 17.679 em isolamento domiciliar e 1.205 pacientes hospitalizados.
Desses, 642 em leitos clínicos (429 públicos e 213 privados) e 563 em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (432 públicos e 131 privados).

As quatro macrorregiões do Estado estão com lotação de leitos de UTI acima da capacidade. Campo Grande registra ocupação de 107%, Dourados 104%, Três Lagoas e Corumbá 100%. A lista de espera por um leito de hospital é de 300 pacientes.