TCE 27/10 a 29/10
Menu
quarta, 27 de outubro de 2021 Campo Grande/MS
Cultura

Aplausos e flores marcam enterro do cineasta Eduardo Coutinho

Luto no cinema

05 fevereiro 2014 - 14h04Por Agência Brasil

“É meu pai e eu o amava muito”. Essas foram as únicas palavras que Pedro Coutinho, promotor de Justiça na cidade de Petrópolis, na região serrana fluminense,  conseguiu dizer à imprensa, após o enterro do cineasta Eduardo Coutinho, morto no dia 2, aos 80 anos, a facadas, em seu apartamento, no bairro da Lagoa, zona sul do Rio de Janeiro. Segundo a polícia, outro filho de Coutinho, Daniel, de 41 anos, é o principal suspeito do crime.

Sob aplausos de amigos e colegas de profissão e de uma chuva de pétalas de rosas vermelhas, o caixão com o corpo de Eduardo Coutinho começou a ser enterrado na Quadra 21 Gaveta 06 do Cemitério São João Batista, em Botafogo, às 16h25. O ator Antonio Pitanga, amigo do cineasta, gritou as palavras de ordem: “Companheiro Eduardo Coutinho, presente!”, às quais todos responderam: “Presente!”. A chamada se repetiu inúmeras vezes, sob constantes aplausos.

Abraçado à mulher, Pedro Coutinho aguardou chorando o fechamento total do túmulo. Em seguida, recebeu mais uma vez os cumprimentos de parentes e amigos do pai e da família. O último a se retirar foi o cineasta Walter Salles, famoso mundialmente por filmes como Central do Brasil, candidato do Brasil ao Oscar de 1999 nas categorias melhor filme estrangeiro e melhor atriz para Fernanda Montenegro.

“É difícil falar do Coutinho”, disse Walter Salles, destacando que ele “foi e é o maior documentarista da história do cinema no Brasil. Eu diria que ele era o maior cineasta brasileiro da atualidade. Ele era único e insubstituível”. Salles disse que a emoção que perpassou todo o velório e o enterro de Eduardo Coutinho ocorreu porque, além da obra em si, todo o seu trabalho foi caracterizado pelo respeito ao outro. "[Ele foi] um homem que soube ouvir e dar a palavra. Foi um homem de grande generosidade”.

Para Walter Salles, os aplausos que ecoaram durante todo o enterro foram para o cineasta, mas também “para o homem atrás da obra”. O cineasta salientou ainda que era um privilégio ter vivido na época de Eduardo Coutinho. “É a mesma coisa se você tivesse vivido no tempo de Graciliano Ramos, João Cabral de Mello Neto, Guimarães Rosa. É a mesma coisa da gente falar do privilégio que é hoje viver no tempo da Fernanda Montenegro. O Coutinho é dessas pessoas iluminadas que nos explicavam um pouquinho melhor o que é esse país tão complexo chamado Brasil. E ele o fazia ouvindo os outros com generosidade”.

Salles disse que não foi à toa que o processo do velório foi conduzido por personagens dos filmes de Eduardo Coutinho. “Eles tomaram a voz mais uma vez. E para quem estava naquela sala [capela], foi uma das coisas mais comoventes e extraordinárias que eu pessoalmente presenciei. Era essa pessoa única que estava sendo aplaudida hoje”, disse.

Leia Também

Namoradas são vítimas de homofobia em ônibus em Campo Grande (vídeo)
Campo Grande
Namoradas são vítimas de homofobia em ônibus em Campo Grande (vídeo)
Jovem toma remédio para abortar e morre; namorado é preso
Geral
Jovem toma remédio para abortar e morre; namorado é preso
Campo Grande vira notícia internacional após ataque de jacaré no Lago do Amor
Campo Grande
Campo Grande vira notícia internacional após ataque de jacaré no Lago do Amor
Mãe é presa por abandonar filhos em casa com criança morta
Geral
Mãe é presa por abandonar filhos em casa com criança morta