Menu
sexta, 30 de outubro de 2020
Cultura

Crianças roubam a cena no comovente 'Pais e Filhos'

Cinema

26 dezembro 2013 - 18h57Por Estadão

Descoberto o fato de que seu filho foi trocado no hospital ao nascer, o personagem de Masaharu Fukuyama deixa escapar uma observação: “Agora tudo faz sentido”. Porque, sem nunca duvidar de que o garoto fosse seu filho, ele sempre estranhou que ele fosse ‘diferente’. A questão é – diferente como? O garoto não era um espelho no qual ele pudesse se refletir. E isso, no fundo, era um motivo de estranhamento.

Pais e Filhos passou em Cannes como Tal Pai, Tal Filho. A mudança de título não parece tão importante, mas é isso que está em discussão para o pai protagonista da história. Tal Pai, tal Filho indica uma continuidade, uma semelhança que não há. Em japonês, o título é ainda outro, que se traduz como ‘Aprender a ser pai’. Masaharu, que no fundo lamenta a diferença do garoto que criava como seu sangue, vai ter de se transformar, visceralmente.

Cannes, em 2013, exibiu grandes filmes e o curioso é que agora, graças às circunstâncias de mercado, eles estão em cartaz na cidade. Você pode ver e comparar Pais e Filhos com Azul É a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche, que ganhou a Palma de Ouro, e até discutir se o prêmio de roteiro era o que mais se aplicava a Um Gosto de Pecado, de Jia Zhang-ke. Os três participavam da competição e o quarto filme na seleção, apresentado em Un Certain Regard, talvez seja o melhor de todos – Um Estranho no Lago, de Alain Guiraudie.

Na entrevista realizada durante o Festival de Cannes, o diretor conta que seu desafio foi mostrar o processo de transformação do pai protagonista – o workaholic, que nunca teve muito tempo para o filho – sem que a mudança parecesse banal aos olhos do público. Você já viu tantos filmes em que as coisas ocorrem simplesmente para que caísse a ficha de pessoas que nem precisariam fazer muito esforço para mudar a vida delas e a dos outros, ao redor.

O personagem de Fukuyama – Ryota – é certamente um homem de sucesso, como o próprio ator que faz o papel é um astro no Japão. Fukuyama não consegue disfarçar seu desagrado pela família do mecânico que criou seu filho. Ambas as crianças vivem momentos turbulentos com suas novas identidades, mas o filho de verdade, que agora tem o sangue do pai, continua não sendo o que ele espera. O problema não é esse ou aquele filho, mas o pai. É ele quem está em discussão, o tempo todo. E não é porque o outro pai, mais simples e até simplório, tenha razão, ou seja melhor. Ele só é, e talvez por falta de consciência, mais generoso consigo mesmo. Não tem as dúvidas de Ryota.

Nessa história, não existem vilões – talvez exista uma, a freira responsável pela mudança, mas até ela recebe um tratamento humanizado e o espectador, afinal, tem, compaixão pela pobre criatura que é. E Kore-Eda, que reconhece que é difícil, senão impossível ombrear-se com Yasujiro Ozu, sabe que a família, embora seja o background de seus filmes, não é o tema. O cinema contou muitas histórias de pais ou tutores que transformam crianças em homens. Kore-Eda faz o que não deixa de ser uma inversão. Mostra como crianças transformam seus pais em homens.

Pais e Filhos é belo, mas talvez fosse melhor ainda se Kore-Eda não fosse conclusivo e deixasse sua história em aberto. O plano de Ryota correndo atrás do filho é um daqueles momentos que um espectador carrega pela vida. Eles caminham paralelamente, e a câmera os segue. Juntos, mas separados. A metáfora não poderia ser mais clara. As trajetórias não vão se encontrar. Toda a complexidade de Pais e Filhos está nesses desencontros, na ausência de respostas. Quando as formula, o filme perde. Kore-Eda já fez filmes melhores e mais perfeitos, mas não duvide nem um pouco. É um grande artista. E essas crianças... Roubam a cena, mas não é isso que se diz que crianças (e cães) sempre fazem?

Leia Também

Mau tempo e erro do piloto levaram à queda de avião de Gabriel Diniz, aponta FAB
Geral
Mau tempo e erro do piloto levaram à queda de avião de Gabriel Diniz, aponta FAB
Mato Grosso do Sul registra sete novas mortes por covid e SES alerta para Dia de Finados
Saúde
Mato Grosso do Sul registra sete novas mortes por covid e SES alerta para Dia de Finados
Justiça tira da prisão acusado de estuprar criança que saiu pra comprar doce
Polícia
Justiça tira da prisão acusado de estuprar criança que saiu pra comprar doce
Sem 'plano B', Harfouche não teme perder recurso e continua campanha
Política
Sem 'plano B', Harfouche não teme perder recurso e continua campanha