TCE Novembro
Menu
domingo, 05 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
ALMS - NOVEMBRO
Cultura

Fundac apresenta projeto O Cordel está no ar com Clotilde Tavares

13 abril 2016 - 18h44Por Da redação com PMCG

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Fundac (Fundação Municipal de Cultura), em parceria com a UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), apresenta na próxima sexta-feira, dia 15, o projeto O Cordel está no ar. O evento está marcado para às 19 horas, no auditório da UEMS, com a presença da criadora, a escritora Clotilde Tavares.

Paraibana radicada em Natal (RN), a pesquisadora Clotilde Tavares assumiu a empreitada de divulgar, em livro, o gosto pela leitura e a literatura de cordel. O evento de sexta consiste de uma palestra/bate-papo com a escritora sobre literatura de cordel e seus livros, cuja fonte de inspiração é atravessada por essa temática. Aqueles que quiserem, poderão adquirir os livros de Clotilde ao final do debate.


O projeto

O Cordel está no ar foi selecionado pela bolsa de Fomento à Literatura, do Ministério da Cultura, e percorrerá 15 cidades brasileiras, incluindo Campo Grande. O objetivo é divulgar a obra da escritora e realizar intercâmbio com o público de outras regiões. Clotilde Tavares escolheu para participar do projeto os livros “O Verso e o Briefing: a publicidade na literatura de cordel” (Natal, Jovens Escribas, 2011), “O Monstro das Sete Bocas” (Natal, Jovens Escribas, 2015) e “A Botija” (São Paulo, Editora 34, 2006) por serem fruto de pesquisa e criação artística nas áreas do saber mencionadas.

Informações sobre os livros:
A Botija (Ficção infanto-juvenil) São Paulo, Editora 34, 2006, 187 páginas.
Três histórias se entrelaçam para compor o enredo desta obra. A primeira delas conta a aventura de Pedro Firmo, homem simples e solitário que vive numa fazenda no interior de Minas Gerais e há anos sonha, todas as noites, o mesmo sonho - enterrada no chão de uma casa no Recife, uma botija cheia de moedas de ouro estaria a sua espera. Um dia, finalmente, ele resolve descobrir se o sonho esconde uma parcela de verdade e se põe a caminho. Durante a viagem, ouvirá, fascinado, duas narrativas do folclore brasileiro: a história de Eulália, seu pai feiticeiro e seu noivo desmemoriado e a fábula de (O pavão misterioso).A obra faz parte do PNBE-MEC e se encontra presente em bibliotecas escolares de todo o Brasil.

O Verso e o briefing: a pulicidade na literatura de cordel (Ensaio)Natal, Editora Jovens Escribas, 2011, 154 páginas.
A escritora e pesquisadora Clotilde Tavares conta nesta obra a história da publicidade na literatura de cordel, contando também a história dos próprios folhetos de cordel para poder contextualizar o tema. Livro dos mais interessantes e de rico registro deste patrimônio inestimável da cultura popular nordestina.

O Monstro das sete bocas (Ficção infanto-juvenil) Natal, Editora Jovens Escribas, 2014, 184 páginas.

O velho Renovato Quirino, morador da fazenda Santa Clara, procura um remédio para a esposa, que está ficando cega. Nessa busca, atravessa o país de São Saruê e encontra personagens como o valente Juvenal, o poeta Samuel Romano e a risonha Lenita Boa Semente. Com a ajuda deles e enfrentando o terrível Fragoso Ararembé, morador da Caverna das Sete Bocas, Renovato espera conseguir a cura da sua querida esposa. Com personagens e elementos colhidos na literatura de cordel e no conto popular, Clotilde Tavares dá nova roupagem às histórias que iluminaram a sua infância e que continuam enchendo de encanto ouvintes e leitores.

O evento de sexta - a abertura do evento terá a participação do Quarteto Toccata, formado pelos violonistas Pieter Rahmeier, Rafael Salgado, Marcos Araújo e Jardel Vinícius Tartari. O trabalho do grupo visa divulgar e pesquisar a música instrumental para a formação, abrangendo repertório que vai do renascimento à música do século XXI, passando pela música sul-mato-grossense.

Serviço

O campus da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul-UEMS está localizado na avenida Dom Antonio Barbosa (MS-080), 4.155, em frente ao Conjunto José Abrão, na saída para Rochedo.
Mais informações na Divisão de Literatura da Fundac 3314-3230