(67) 99826-0686
Camara - marco

Neste domingo, Haiwanna e NX Zero sobem ao palco no MS Canta Brasil

Parque das Nações

3 NOV 2013
Aline Oliveira
10h54min
Divulgação

 

Neste domingo (3), a partir das 17h30, a banda sul-mato-grossense Haiwanna e o grupo paulista NX Zero sobem ao palco para mais uma edição do projeto MS Canta Brasil. Os shows acontecem no Parque das Nações Indígenas e a entrada é franca.

 

Cabe destacar que o MS Canta Brasil é uma realização da FCMS (Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul) e apresenta sempre shows com artistas de renome nacional e destaque no Estado, na Arena do Parque das Nações. O objetivo é homenagear os estados brasileiros por meio da música, promovendo a integração artística.

 

Desde que o MS Canta Brasil foi inaugurado, em outubro de 2007, já se apresentaram no evento 43 nomes da música sul-mato-grossense: Chalana de Prata, Tropeiros da Querência, Bojo Malê, Jerry Espíndola, Jucy Ibañez, Olho de Gato, Carlos Colman, Geraldo Espíndola, Filho dos Livres, Marcelo Loureiro, Guilherme Rondon, Bêbados Habilidosos, Bando do Velho Jack, Agemaduomi, Velho do Rio, Lia Mayo, Grass, Balaio Jazz, Simona, Léo Verão e Daniel Freitas, Zézinho do Forró, Delay, Curimba, Sampri, Aldeia Black, Muchileiros, Mandioca Loca, Gideão Dias, Jeniffer Magnética, Marina Dalla, Dimitri Pellz, Guga Borba, Hermanos Irmãos, Gustavo Vargas, Vinil Moraes, Black Tie, Dombraz, Gilson Espíndola, Rivers, Karina Marques, Sarravulho, Alzira Espíndola e Almir Sater.

 

Sobre as atrações - A banda Haiwanna foi criada em junho de 1997 por Hugo Carneiro, Abner Ramires, Danilo Lopes e Valter Dualibe e possui influências das principais bandas de rock brasileiras, principalmente da década de 80. O grupo que tem dois cd's gravados, o "Valiserie" e "Herrar é Umano", prepara agora músicas para o próximo trabalho intitulado "Contradições" com previsão de lançamento para 2014.

 

Já a banda formada por Di Ferrero, Daniel Weksler, Caco Grandino, Fi Duarte e Gee Rocha apresenta no show, músicas do novo álbum "Em Comum". O disco é um reflexo da maturidade dos integrantes que ficaram três anos sem lançar nenhum trabalho.

Veja também