Menu
terça, 22 de setembro de 2020
Economia

Alimentação pesou na inflação de Campo Grande em fevereiro

O novo método de formação de preços da Petrobrás auxiliou na queda dos valores da gasolina e do etanol, ajudando a retardar o crescimento da inflação mensal

14 março 2019 - 16h07Por Da redação/Assessoria

O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) de fevereiro ficou em 0,53%, segundo o Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Uniderp. O resultado foi motivado por altas nos índices dos grupos Alimentação, Vestuário, Saúde e Habitação. "A alimentação se destacou pela alta de 2,54% em relação a janeiro, sendo o feijão o grande vilão do grupo", explicou o coordenador do Nepes da Uniderp, Celso Correia de Souza. 

Apesar do indicador de fevereiro ter sido maior que o registrado em janeiro (0,24%), o pesquisador considera que a inflação para o mês está dentro da normalidade. "Foram registradas significativas deflações nos grupos Educação, Despesas Pessoais e Transportes que ajudaram a segurar o crescimento da taxa mensal", completa Celso. A inflação acumulada nos últimos doze meses está em 3,89%, abaixo do centro da meta de 4,25% estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CNM) para 2019. Considerando os dois primeiros meses do ano, o acumulado é de 0,77%. 

Para Celso, o novo método de formação de preços da Petrobrás auxiliou na queda dos valores da gasolina e do etanol, ajudando a retardar o crescimento da inflação mensal. Além disso, "o alto nível de desemprego, as altas taxas de juros praticadas na economia do Brasil, o endividamento da população, e a redução do consumo são fatores que têm ajudado a controlar a taxa", na visão do pesquisador.

Segmentos

O grupo Habitação, que possui o maior peso de contribuição para o cálculo do índice mensal, fechou o mês com índice 0,17%, em relação a janeiro. Os principais aumentos registrados no grupo foram com saponáceo (7,18%); esponja de aço (7,11%) e conta de telefone convencional (6,70%). Quedas de valor ocorreram com inseticida (-6,21%), detergente (-4,82%), desinfetante (-4,43%), entre outros.

O grupo Alimentação apresentou uma forte inflação em fevereiro: 2,54%, resultado reflexo do clima muito severo nas regiões produtoras de alimentos, principalmente, frutas e legumes, o que resultou em majorações e reduções de preço expressivas. "Esse grupo sofre muita influência de fatores climáticos e da sazonalidade de alguns de seus produtos", considera de Celso Correia.

No topo das altas no grupo ficou o feijão, que atingiu 83,82%. Outros aumentos expressivos foram constatados com a batata (45,35%) e chuchu (38,08%). Em relação as reduções, os destaques são: limão (-34,49%), caldo de carne e de galinha (-23,52%), fubá (-12,66%), entre outros alimentos com menores índices.

Em relação à carne bovina, nove cortes caíram de preço: músculo (-7,15%), acém (-6,64%), contrafilé (-6,42%), coxão mole (-4,38%), filé mignon (-2,20%), alcatra (-1,85%), picanha (-1,71%), vísceras de boi (-0,60%) e peito (-0,05%). O valor do cupim e do lagarto permaneceram estáveis. Já as altas ocorreram com a paleta (7%), patinho (5,98%), fígado (2,05%) e costela (0,84%). Quanto à carne suína, tiveram aumentos de preços os três cortes pesquisados: costeleta (3,32%), bisteca (3,12%) e pernil (2,06%). O frango resfriado caiu -2,15% e os miúdos de aves aumentaram 3,36%.

O grupo Transportes se destacou pela deflação de -0,18%, devido a quedas nos preços da gasolina (-4,87%) e do etanol (-4,40%). O grupo também teve majorações com passagem de ônibus urbano (6,76%), pneu novo (5,44%) e óleo diesel (2,46%), porém, com peso menor que as quedas constatadas.

A Educação também fechou fevereiro com deflação: -1,55%, motivado por reduções nas mensalidades de curso superior (-2,19%) e em artigos de papelaria (-3,65%). O grupo Despesas Pessoais seguiu o mesmo comportamento e ficou com índice -0,76%, principalmente, devido às reduções com sabonete (-7,69%), fio dental (-6,82%), protetor solar (-6,51%), entre outros produtos.

A Saúde apresentou uma alta de 1,09%, impulsionada por altas nos preços da vitamina e fortificante (5,97%), antigripal e antitussígeno (3,38%), psicotrópico e anorexígeno (2,86%), entre outros. Também foram constatadas quedas de preços com anti-inflamatório e antireumático (-5,63%), antinfeccioso e antibiótico (-1.56%), antialérgico e broncodilatador (-1,54%), entre outros produtos. Vestiário encerrou fevereiro com alto índice: 1, 52%. Os principais aumentos do grupo foram constatados calça feminina (6,69%), lingerie (6,24%), camiseta masculina (4,75%), entre outras peças.

Maiores e menores contribuições 

Os 10 "vilões" da inflação, em fevereiro:

  • Feijão, com inflação de 83,82% e contribuição de 0,26%;
  • Conta de telefone fixo, com inflação de 6,70% e contribuição de 0,15%;
  • Passagem de ônibus urbano, com inflação de 6,76% e participação de 0,14%;
  • Batata, com variação de 45,35% e colaboração de 0,12%;
  • Leite pasteurizado, com acréscimo, de 10,34% e contribuição de 0,11%;
  • Short/bermuda masculina, com variação de 19,14% e colaboração de 0,09%;
  • Pneu novo, com acréscimo de 5,44% e contribuição de 0,08%;
  • Óleo diesel, com reajuste de 2,46% e participação de 0,08%;
  • Café, com elevação de 7,86% e colaboração de 0,05%.
  • Calça masculina, com aumento de 3,98% e participação de 0,04%;

Já os 10 itens que auxiliaram a reter a inflação, com contribuições negativas foram:

  • Gasolina, com deflação de -4,87% e contribuição de -0,19%;
  • Mensalidade de ensino superior, com redução de -2,19% e colaboração de -0,10%;
  • Etanol, com diminuição de -4,40% e participação de -0,10%;
  • Pescado fresco, com decréscimo de -8,78% e contribuição de -0,06%;
  • Acém, com baixa de -6,64% e colaboração de -0,05%;
  • Contrafilé, com diminuição de -6,42% e participação de -0,04%;
  • Bebidas alcoólicas, com redução de -2,54% e contribuição de -0,03%;
  • Alcatra, com decréscimo de -1,85%e colaboração de -0,02%;
  • Biscoito, com queda de -4,14% e participação de -0,02%;
  • Frango resfriado, com baixa de -2,15% e contribuição de -0,02%.

IPC/CG

O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) é um indicador da evolução do custo de vida das famílias dentro do padrão de vida e do comportamento racional de consumo. O IPC busca medir o nível de variação dos preços mensais do consumo de bens e serviços, a partir da comparação da situação de consumo do mês atual em relação ao mês anterior, de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos.

Leia Também

Jovem finca agulha de narguilé e mata namorado após discussão por pastel
Geral
Jovem finca agulha de narguilé e mata namorado após discussão por pastel
Apesar de fracas, chuvas continuam na terça e deixam clima fresquinho em Campo Grande
Cidades
Apesar de fracas, chuvas continuam na terça e deixam clima fresquinho em Campo Grande
Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Interior
Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil
Geral
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil