Menu
terça, 18 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Economia

Brasil vai exportar material genético bovino e bubalino para Costa Rica

21 dezembro 2015 - 11h53Por Redação

O Brasil firmou mais um acordo para exportação de material genético. Desta vez, sêmen bubalino poderá seguir para a Costa Rica, graças ao acordo firmado entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e o Serviço Nacional de Saúde Animal (Senasa), do Ministerio de Agricultura y Ganaderia, da Costa Rica.

O documento garante o cumprimento das condições sanitárias exigidas para o trânsito internacional do material genético de búfalos até o país de destino.

Outro Certificado semelhante foi firmado no início do mês de dezembro com a Bolívia relacionado a exportação de bovinos vivos, pois em 2014 cerca de 400 mil bovinos daquele país morreram na enchente dos rios Beni e Mamoré.

A certificação de produtos de origem animal é uma exigência do MAPA e, no caso de exportações de material genético, são estabelecidos Certificados Zoosanitários Internacionais entre país importador e exportador.

O acordo selado entre o Brasil e a Costa Rica, país interessado na genética bovídea brasileira, vai contribuir com a melhoria do rebanho costa-riquenho, considerando que seu rebanho bovino é de 1,2 milhão de cabeças, sendo 42% para produção de carne, 33% para produção de leite e os demais 25% do rebanho com dupla aptidão, além de 4.380 cabeças de bubalinos, segundo Censo Agropecuário da Costa Rica publicado em 2014.

O acordo também é uma derivação da Proposta de Ampliação das Exportações de Material Genético e Bovinos Vivos, elaborada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), entregue ao MAPA em 29 de setembro de 2015.

Essa proposta serve como instrumento de auxílio ao departamento técnico responsável do Ministério nas negociações destes produtos com os países interessados na genética bovina e bubalina do Brasil.

Para o presidente da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da CNA, Antônio Pitangui de Salvo, o documento vai ajudar no aumento das exportações brasileiras.

“O setor produtivo comemora a homologação destes acordos, pois havendo o interesse do país importador, é primordial que se tenha um certificado exequível atendendo as exigências sanitárias para a devida exportação”.