Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
GOV FEMINICIDIO
Economia

Invasões provocam prejuízos na ordem de R$ 1 milhão a produtores rurais

06 novembro 2013 - 17h57Por Aline Oliveira

O prazo para que o governo federal resolva a questão das indenizações aos produtores rurais de Mato Grosso do Sul que tiveram as terras invadidas é 30 de novembro. O conflito se arrasta desde o primeiro semestre deste ano, com proprietários de diversas regiões do Estado amargando prejuízos financeiros, além do clima de insegurança e possibilidade iminente de novos enfrentamentos.

 

Um dos produtores que passa por esta situação é Ricardo Bacha, proprietário da Fazenda Buriti, no município de Sidrolândia ( 73km de Campo Grande). Ele afirma que desde a invasão ocorrida em maio deste ano contabiliza R$ 1 milhão de reais em prejuízos com perda de gado, maquinário, objetos pessoais dos empregados e equipamentos. "Perdemos 350 cabeças de gado e só conseguimos recuperar 40. Roubaram móveis e eletrodomésticos dos nossos funcionários, sem contar a destruição promovida na sede", relatou.

 

Bacha destacou ainda que na região onde possui a propriedade  a tensão só diminuiu após o acordo proposto pelo ministério da Justiça, porém, os produtores aguardam uma decisão definitiva, pois estão cansados de esperar. "Nós cumprimos nossa parte no acordo (o que não aconteceu com o movimento do indígena) e até o momento, a única ação objetiva do governo foi o levantamento das terras e benfeitorias das propriedades, nada mais",  criticou o produtor.

 

Outro produtor rural que possui terras na região é Vanth Vanni, proprietário de uma área com mil e duzentos hectares. Ele destaca que os prejuízos diretos contabilizados até o momento já atingiram a marca de R$ 1 milhão e reforça que há também prejuízos indiretos que vem aumentando com a demora em definir a situação.

 

"Meus prejuízos diretos ultrapassaram um milhão de reais, com roubo de gado, furtos na propriedade, transporte dos animais e o mais complicado, encontrar outra área para colocá-los. Os animais também sofrem bastante e já contamos 30 abortos de vacas PO, sem contar que perdemos a oportunidade de participar de um grande leilão anual", detalhou Vanni.

 

Segundo o produtor, ele e os demais proprietários estão esperando o prazo do governo no final de novembro para avaliar quais as medidas que irão tomar. "Não posso dizer ainda o que vamos fazer, mas do jeito que está não dá para continuar. Nós ganhamos a questão judicial na legalidade e o governo tem o poder e a caneta na mão para acabar com o conflito, então tem que arcar com as consequências que lhe competem", argumentou.

 

Um caso mais antigo e que resultou em prejuízo ainda mais grave foi o de Ademir Marques Rosa. Ele e o irmão tinham uma propriedade de 402 quilômetros no município de Dois Irmãos do Buriti (71 quilômetros da Capital) e trabalhavam no setor de hortifrutigranjeiros Há 10 anos se viram sem a terra e a fonte de renda para o sustento da família e funcionários.

 

"Um grupo de 200 pessoas invadiu nossas terras de forma agressiva e tiveram apoio da Funai. Nós e nossos funcionários (cerca de sete famílias) fomos obrigados a sair com a roupa do corpo e tivemos que recomeçar do zero. Hoje vivo na cidade e aguardo a decisão da Justiça, pois ganhamos nas duas primeiras instâncias", relatou.

 

Rosa confidenciou que atualmente mora na cidade e não tem interesse de voltar a atividade rural. "Espero sinceramente que o governo cumpra o que prometeu e no meu caso, que eu receba a indenização da terra perdida", finalizou.

 

Informações adicionais - Atualmente existem 17 propriedades invadidas entre os municípios de Dois Irmãos do Buriti e Sidrolândia em área que é pleiteada por índios da etnia Terena, por se tratar de reserva localizada na região. A intenção dos Terenas é ampliar a aldeia Buriti de 2.090 para 17 mil hectares, fato que contraria diretriz fixada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

 

Leia Também

PÁGINA VIRADA: sem constrangimento, Willian Waack comenta protesto de negros nos EUA
Geral
PÁGINA VIRADA: sem constrangimento, Willian Waack comenta protesto de negros nos EUA
PF diz ao STF que vai ouvir Bolsonaro por causa das acusações de Moro
Geral
PF diz ao STF que vai ouvir Bolsonaro por causa das acusações de Moro
Moro sugere que Bolsonaro usou lei anticrime para proteger o filho Flávio
Cidades
Moro sugere que Bolsonaro usou lei anticrime para proteger o filho Flávio
Maia diz que Bolsonaro não 'comprou' Centrão: 'relação democrática'
Geral
Maia diz que Bolsonaro não 'comprou' Centrão: 'relação democrática'