TJMS SETEMBRO e outubro
Menu
quarta, 20 de outubro de 2021 Campo Grande/MS
senar 18/10 a 21/10
Economia

Enquanto a miséria aumenta, MS bate recordes na produção da soja

Enquanto alguns ganham em dólares e investem em produção de commodities para o exterior, o Brasil do "agro" contabiliza milhares passando fome e dificuldades financeiras

23 setembro 2021 - 13h00Por Rayani Santa Cruz

Pesquisa Agrícola Municipal (PAM) de 2020 indica que o valor da produção agrícola de Mato Grosso do Sul atingiu recorde de R$ 29,5 bilhões em 2020. O problema é que enquanto o agronegócio bate recorde, a miséria, desemprego e a fome crescem no País "do agro".

Existem dois "Brasis" diferentes: um deles com a população sobrevivendo com alta da inflação e preços altíssimos de alimentos básicos como arroz, feijão, óleo e a carne vermelha (mesmo o MS sendo um dos maiores produtores de gado). E outro onde os produtores estão felizes com altas de exportações, a exemplo da soja, que não necessariamente é transformada em alimento para consumo humano.

Segundo a PAM, entre as culturas agrícolas que mais contribuíram para esse crescimento em MS, "houve destaque para a soja, principal produto da pauta de exportação nacional, que alcançou a marca de 10,9 milhões de toneladas, gerando R$ 14,3 bilhões em valor bruto, o que representou um acréscimo de 50,5% frente à safra anterior, que havia registrado retração no volume produzido."

Ainda conforme a pesquisa, a produção de milho no estado, que obteve incremento de 8% na produção, apresentou novo recorde, atingindo 10,7 milhões de toneladas, que geraram um valor bruto de R$ 9 bilhões, número 109,3% superior ao registrado no ano anterior.

(Indicadores mostram recordes em produção no ano de 2020. Foto: IBGE-PAM)

Insegurança alimentar

Apesar dos números altos em produção agrícola, um dos motivos para tamanha disparidade entre recordes de exportação e insegurança alimentar tem a ver com o fato de o Brasil ser grande na agricultura, mas focar em culturas específicas para a exportação como é o caso da soja. 

O G1 divulgou paralelo onde indica que a agricultura familiar é responsável por boa tarde dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros, mas que o setor não tem tanto incentivo do governo e é pouco atrativo em níveis de mercado.

Existem incentivos de crédito, como o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), além de programas de aquisição de alimentos, tal qual o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Mas, eles não são de fácil acesso aos produtores com menor estrutura. 

Culpa do agro?

O agrônomo e pesquisador Paulo Petersen, integrante do Núcleo Executivo da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), disse ao G1 que a produção do Brasil não é voltada para a alimentação, mas sim para commodities, principalmente o cultivo de grãos usados em ração para animais.

Commodities são produtos que funcionam como matéria-prima. Elas podem ser desenvolvidas em larga escala e estocadas sem perder a qualidade. No caso do agro, são itens como soja, trigo, milho e café. 89% de todos os grãos produzidos no país no ano passado foram de milho e soja, diz Petersen.

"Basicamente tanto um como o outro é voltado para a exportação. Então, a produção interna é muito voltada para a indústria e não diretamente para o consumo humano, isso que explica a aparente contradição”, afirma.

Além dos grãos, o Brasil é um grande produtor de cana-de-açúcar, item que também não é focado apenas na alimentação, já que é a matéria-prima para o etanol.

Por isso é que, segundo Petersen, "à medida que o agronegócio vai se expandindo e se tornando mais vigoroso economicamente, isso não significa que as demandas de alimentação e nutricional estejam sendo atendidas”.

Enquanto isso...

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina acaba de anunciar no Twitter, que o governo federal suspendeu a cobrança de PIS e Cofins na importação de milho até 31 de dezembro deste ano. O objetivo é desonerar o custo de aquisição externa com foco no aumento da oferta interna buscando reduzir a pressão de preços e os custos dos criadores de animais, já que o grão é importante insumo na alimentação de bovinos, suínos e aves. 

A medida consta na Medida Provisória Nº 1.071, publicada nesta quinta-feira (23) e foi proposta por ela em razão da quebra na produção de milho neste ano por causa da seca, e do cenário de aperto no abastecimento, o que provocou alta no preço do milho para os criadores de animais.

"A suspensão permitirá a compra de milho de outros mercados fora do Mercosul de maneira competitiva, melhorando o abastecimento interno e evitando reajuste nos preços das carnes para o consumidor. A expectativa é que a retirada da cobrança da tarifa represente redução de 9,25% no custo de importação ou R$ 9 por saca".

(Ministra postou sobre desoneração de taxa. Foto: Reprodução Twitter)

Leia Também

Bandidos que fizeram mulheres reféns tomaram pinga e queriam furtar cadeiras
Polícia
Bandidos que fizeram mulheres reféns tomaram pinga e queriam furtar cadeiras
Rapaz pede carona e toma tiro de motociclista em Três Lagoas
Polícia
Rapaz pede carona e toma tiro de motociclista em Três Lagoas
Com ciúmes de companheiro, detento fura colega de cela em Dourados
Interior
Com ciúmes de companheiro, detento fura colega de cela em Dourados
Motorista de transporte escolar é preso por estupro de crianças em Anaurilândia
Interior
Motorista de transporte escolar é preso por estupro de crianças em Anaurilândia