Menu
terça, 25 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Economia

Expedição que avalia produção de soja passa por Dourados em novembro

25 outubro 2015 - 12h04Por Dourados News

A Expedição Soja Brasil, projeto que avalia a produção da oleaginosa no país, além de apresentar palestras sobre a produção, controle de pragas e gestão da propriedade rural, vai fazer quatro paradas em Mato Grosso do Sul. A caravana vai passar pelo estado no mês de novembro, parando em Chapadão do Sul (dia 3), São Gabriel do Oeste (4), Dourados (6) e Amambai (7).

O Projeto leva aos polos produtores de grãos do país palestras que incluem temas relacionados às técnicas eficientes de nutrição de solo, economia no controle de pragas, refúgio sanitário, seguro rural e gestão da propriedade rural.

De acordo com o presidente da Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul), Christiano Bortolotto, a ação possibilita que o potencial produtivo e as informações obtidas pela expedição alcancem outras localidades do Brasil. “A ação prestará uma consultoria avançada ao produtor sul-mato-grossense, com novas dicas e técnicas que aumentam a produtividade, de forma sustentável e economicamente viável. Ao mesmo tempo, o Projeto retransmite o potencial de produção do Estado para diferentes localidades do país”, ressalta.

Entre os meses de outubro/2015 a março de 2016, a caravana percorre mais de 25 mil quilômetros, parando nos principais estados produtores do país em busca de informações que vão desde o plantio da soja à colheita do grão. Na 4ª edição, o Soja Brasil também investe em capacitação com o apoio do Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) que, através da carreta do Canal Rural, leva conhecimento e promove a troca de experiências entre os agricultores locais.

“O Projeto proporciona uma comunicação constante entre os produtores rurais, representantes do setor e lideranças políticas. Enquanto os especialistas tratam de assuntos preocupantes nesta temporada, como por exemplo, o mercado frente à queda no preço do grão e a valorização do dólar e o aparecimento de novas pragas nas lavouras”, explica o diretor executivo da Aprosoja Brasil, Fabrício Rosa.