Menu
Busca terça, 26 de maio de 2020
camara municipal
Economia

Governo cobra dívida tributária de R$ 4,6 milhões de empresa da Lama Asfáltica

Pivô das investigações, João Amorim acumula execuções fiscais e débitos da Proteco

23 setembro 2016 - 09h22Por Diana Christie

Acumulando investigações e processos, o empreiteiro João Alberto Krampe Amorim e a sócia dele, Elza Cristina dos Santos, são cobrados judicialmente por dívida tributária no valor de R$ 4.679.242,26, somando juros calculados em 31 de agosto. O ‘calote’ se refere às contas da empresa Proteco Construções Ltda. Em razão do débito, a juíza Joseliza Alessandra Vanzela Turine determinou o pagamento dos valores ou a penhora dos bens dos sócios.

Empresa do pivô da Operação Lama Asfáltica, a Proteco chegou a pedir recuperação judicial, que tem como objetivo evitar a falência de atividades comerciais em crise econômico-financeira, em dezembro do ano passado. No entanto, um mês depois do pedido ser homologado, desistiu da ação e solicitou que o processo fosse extinto.

A empresa não justificou os motivos que a levaram a desistir do processo, apenas justifica seu direito de voltar atrás da decisão, com base na legislação vigente. “O devedor [somente] não poderá desistir da recuperação judicial após o deferimento do seu processamento salvo se obtiver aprovação da desistência na assembleia-geral de credores”, aponta.

Indiciado também na Operação Coffee Break, o megaempresário João Alberto Krampe Amorim detém 98% do capital social da empresa, o equivalente a R$ 35,2 milhões, juntamente com Elza Cristina Araújo dos Santos que possui os demais 2%, no valor de R$ 720 mil. Eles são investigados por participar de um esquema criminoso para fraudar licitações e medições de obras, com o pagamento de servidores públicos e políticos.

Em fevereiro, a juíza Vania de Paula Arantes, da 3ª Vara Cível de Campo Grande, determinou que a empresa Proteco Construções Ltda realizasse o pagamento de R$ 17.396.650,89, referentes a uma dívida contraída com o Banco Rural S.A. Segundo o autor da ação, os valores são de duas cédulas de crédito bancário, com vencimento em 28 de outubro de 2013 e 26 de dezembro de 2013.

Fundada em 26 de agosto de 1970, a Proteco Construções está há 45 anos no mercado da construção civil, oferecendo serviços como terraplanagem, pavimentação de estradas e vias urbanas, além de obras de energia elétrica, água e esgoto. Para o setor público, locava máquinas, tratores e equipamentos de construção civil.

Segundo o pedido de recuperação judicial, a empreiteira passou por um crescimento constante desde 2010 quando empregava 333 funcionários, tendo uma redução para 284 prestadores de serviços em 2011, 272 no ano seguinte, e atingindo o ápice em 2013 quando chegou a ter 517 funcionários. No ano passado, os servidores somavam 394, mas os lucros continuavam em expansão.

Faturamento

Neste período, o faturamento da Proteco foi de R$ 85,6 milhões em 2013; R$ 183,7 milhões em 2014 e manteve a situação estável no primeiro semestre de 2015, até o estouro de uma sucessão de escândalos. Além da desaceleração da economia com o consequente aumento de impostos, a empresa enfrentou as investigações da Operação Lama Asfáltica, seguida pela Coffee Break, que apura a existência de um acordo criminoso para a cassação do prefeito Alcides Bernal (PP).

Conforme os advogados de Amorim e Elza, com tantos problemas o faturamento da Proteco foi de apenas R$ 17,2 milhões entre janeiro e agosto de 2015. Parte do problema seria decorrente da decisão de Alcides Bernal de suspender serviços ‘menos essenciais’ em agosto, quando teria deixado uma dívida de R$ 12 milhões com as empreiteiras. Além disso, a defesa apontava que a prefeitura suspendeu 100% dos contratos ativos em julho daquele ano, por causa das investigações e pela redução de despesas com operações tapa-buracos.

Leia Também

Marquinhos faz apelo e clama para Bolsonaro sancionar auxílio financeiro
Cidade Morena
Marquinhos faz apelo e clama para Bolsonaro sancionar auxílio financeiro
Governo se prepara para retomar atividades dentro da ‘nova normalidade’, diz Riedel
Saúde
Governo se prepara para retomar atividades dentro da ‘nova normalidade’, diz Riedel
Laudo confirma que criança foi morta por estrangulamento; mãe assume que matou garoto
Polícia
Laudo confirma que criança foi morta por estrangulamento; mãe assume que matou garoto
Atriz campo-grandense é internada com insuficiência respiratória
Geral
Atriz campo-grandense é internada com insuficiência respiratória