(67) 99826-0686
ALMS 13/06 a 12/07

Indústria gera 7,3 mil vagas de emprego em Mato Grosso do Sul

Crescimento

25 FEV 2014
Marcelo Villalba
09h49min
Foto: Reprodução

O setor industrial de Mato Grosso do Sul, em 2013 teve um crescimento considerável, gerando cerca de 7.350 novos empregos, segundo informou o levantamento do Rada Industrial da Fiems.  Os dados são compostos pelas industrias de transformação, de extrativismo mineral, de construção civil e de serviços de utilidade pública. 

Nesse seguimento o setor que teve mais aproveitamento foi o da construção civil, atraindo 5.437 postos de trabalhos, e o da industria de transformação, com 1.577 novas vagas.

Para o coordenador de Estudos e Pesquisas, Ezequiel Resende, as industrias no Estado continuam crescendo e gerando novos empregos. “A abertura média de 613 novas vagas, nos últimos 12 meses, reflete o acelerado crescimento que ocorre em Mato Grosso do Sul. É como se uma grande indústria entrasse em atividade por mês em nosso Estado”, avaliou.

Essa semana uma noticia deixou três cidades de Mato Grosso do Sul em evidencia no setor industrial, entre as dez cidades que mais geram emprego no país, Dourados e Três lagoas ficaram entre elas.  Ezequiel apontou que no município de Três Lagoas, o destaque fica para o segmento da indústria da construção, especialmente por conta da fábrica de Nitrogenados da Petrobas, com 4.600 novas vagas, indústria mecânica, com 519, e, por fim, a indústria de celulose e papel, com 490 novos trabalhadores.

A revista Veja aponta Dourados como polo de educação e saúde de 30 municípios sul-mato-grossenses onde vivem mais de 1 milhão de habitantes.

A reportagem cita a UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) com 28 cursos em 2013 e abertura de mais sete em 2014 com contratação de pelo menos mais 45 professores. Cita ainda a abertura dos cursos de engenharia civil, engenharia mecânica e engenharia de computação, todas voltadas para atender a demanda das 16 usinas de açúcar, etanol e energia da região.

Mas a Capital do Estado, segundo o economista tem bons índices de crescimento no setor, “Campo Grande tem  740 novas vagas na indústria da construção, 503 na indústria de produtos alimentícios e bebidas e 249 na Indústria de produtos minerais não metálicos”, enumerou.

Outros destaques-  Ezequiel Rezende ressalta que outro município que se destaca é o de Angélica, onde foram abertas 758 novas vagas no segmento sucroenergético. “Por fim, o segmento frigorífico destaca-se nos municípios de Aparecida do Taboado, Bataguassu, Itaquiraí e São Gabriel do Oeste, que, somados, registraram a abertura de 531 novos postos de trabalho”, informou. Em Mato Grosso do Sul, com o saldo obtido em janeiro de 2014, foi alcançada a marca de 639.280 postos formais de trabalho, indicando uma elevação equivalente a 0,2% sobre o estoque total verificado no fim de 2013.

Na mesma comparação, o estoque por segmento econômico, passou a ser de 184.561 postos formais de trabalho no setor de serviços (+0,40%), 143.319 na indústria (+0,08%), 125.601 no comércio (-0,21%), 120.711 empregos na administração pública (-0,21%) e 65.088 na agropecuária (+0,69%). Com o estoque total de 143.319 postos formais de trabalho em Mato Grosso do Sul, o setor industrial respondendo por 22,4% de todo o emprego formal existente no Estado, ficando atrás somente do setor de serviços (28,9%), com um total de 184.561 empregos formais.

Índice de Evolução do Emprego - Com a posição verificada em janeiro de 2014, o Índice de Evolução do Emprego Formal na Indústria alcançou 209,9 pontos, indicando crescimento de 110% sobre o estoque do ano base de 2005, quando o setor tinha 68.269 trabalhadores. A indústria sul-mato-grossense mais que dobrou o estoque total de empregos formais no período considerado, enquanto na mesma comparação o setor de serviços apresentou um índice de 185,1 pontos e crescimento de 85,1%, o comércio com 156,9 pontos (+56,9%), a agropecuária com 118,5 pontos (+18,5%) e administração pública com 103,9 pontos (+4,0%).

No caso do emprego formal total em Mato Grosso do Sul, o índice de evolução alcançou a marca 152,5 pontos (+52,5%), constata-se, deste modo, que no período compreendido entre 2005 e 2014, até o mês de janeiro, o ritmo de expansão do emprego formal na indústria em Mato Grosso do Sul foi 38% maior que aquele apresentado pelo conjunto da economia estadual. Na mesma comparação, em relação aos segmentos de serviços, comércio, agropecuária e administração pública, o ritmo de expansão da indústria foi maior em 13%, 34%, 77% e 102%, respectivamente.

Por fim, quando comparado com igual mês do ano anterior, o índice de evolução do emprego formal apresentou o seguinte desempenho: emprego total (+3,5%), serviços (+4,5%), comércio (+4,3%), indústria (+6,0%), administração pública (0,0%) e agropecuária (+0,7%). “O Índice de Evolução do Emprego Formal, criado pela Fiems, visa mostrar a evolução ocorrida no estoque de empregos formais existentes em Mato Grosso do Sul, a partir da posição verificada ao final de 2005, ano escolhido como base e que servirá de referência para os demais períodos”, acrescentou Ezequiel Resende.

(Com informação da Assessoria)

Veja também