Menu
Busca segunda, 21 de outubro de 2019
Top Ms
Economia

Lideranças no campo, mulheres se destacam no agronegócio

Dia Internacional das Mulheres

07 março 2014 - 20h00Por Famasul
Com apenas 24 anos, a produtora rural Thaís Carbonaro Faleiros é, além de advogada e empreendedora rural, a nova diretora financeira da Associação de Produtores de Soja (Aprosoja MS). Thaís é a imagem do que acontece no campo, reflexo da cidade, onde a mulher de forma cada vez mais representativa atua nos diferentes segmentos do agronegócio brasileiro, trabalhando no campo, nos laboratórios, dirigindo máquinas agrícolas, ocupando lugares de liderança e no comando de instituições representativas.
 
 
Thaís Carbonaro pertence a uma família tradicional de produtores rurais de Itaporã e, desde muito cedo trabalha com o pai na gestão da propriedade. Para  a diretora, o setor ainda enfrenta preconceitos, mesmo que de forma mais sutil, entretanto a alternativa para driblar esta dificuldade é a conduta profissional e educação."O desenvolvimento intelectual é a chave para diminuir a desigualdade de gênero. Além disso, a tecnologia diminuiu a necessidade da força bruta para realização de atividades antes predominantemente masculina, como operar máquinas agrícolas, tratores, colheitadeiras", ressalta.
 
Segundo o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul), Eduardo Riedel , o avanço das mulheres em todos os segmentos do agronegócio contribui diretamente para a expansão do setor.  "Hoje são mais de 3,5 milhões de mulheres atuando no agronegócio, esse resultado mostra a capacidade de trabalho da mulher que mostra sua força empreendedora na cidade e no campo. Tanto que temos no Estado vários empreendimentos rurais comandados por mulheres e já são cinco sindicatos presididos por elas, refletindo este progresso social", afirma.
 
 
Para o presidente do Sistema Famasul a atuação das mulheres também é destaque no cenário político, com a Dilma Rousseff na presidência da República. Além disso, o setor tem a senadora Kátia Abreu na presidência da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil. Em MS, Riedel cita a secretária de Produção e Turismo Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias e a vice-governadora, Simone Tebet, como exemplos de atuação.
 
Quando o assunto é qualificação, as mulheres também conquistam espaço. Prova disto é que em 2013 das 34,4 mil pessoas capacitadas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/MS), 16,6 mil foram do gênero feminino, algo em torno de 50%. Para o superintendente do Senar/MS, Rogério Beretta, o percentual reflete o crescente interesse das mulheres pela atualização e conhecimento. "Os números do Senar/MS mostram que a mulher está indo além dos cursos de artesanatos e de preparação de alimentos e participando mais das capacitações sobre gestão, demonstrando um perfil empreendedor".
 
 
As mulheres que representam os sindicatos rurais de MS são Terezinha Cândido de Souza, do Sindicato Rural de Coxim;  Telma Menezes, do Sindicato Rural Nova Alvorada do Sul; Dora Ângela Cecílio de Lima, de Bataguassú; Maria Neide Casagrande, de Tacuru, e Roseli Ruiz, de Antônio João.
 
 
O Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, tem como origem as manifestações das mulheres russas por melhores condições de vida e trabalho e contra a entrada da Rússia czarista na Primeira Guerra Mundial. No Ocidente, a data foi comemorada no início do século, até a década de 1920.