Menu
sexta, 14 de agosto de 2020
Economia

Mais de 837 mil trabalhadores com contrato suspenso ou redução de salário tiveram benefício negado

A Dataprev, responsável pelo processamento, não informou os fatores que levaram às negativas

05 junho 2020 - 07h58Por Dany Nascimento

Passou de 837 mil trabalhadores com contratos suspensos ou salários reduzidos durante a pandemia, que  tiveram seus pedidos de auxílio para complementação de renda negados pelo governo federal.

A Dataprev, responsável pelo processamento, não informou os fatores que levaram às negativas. Segundo o G1, outros 1,4 milhão de pedidos ainda estão em análise. Além de requerimentos negados, muitos funcionários sofrem com atrasos no pagamento do benefício emergencial pago pela União.
De acordo como Governo Federal, a Medida Provisória (MP) 936 — que autoriza o acordo de suspensão de contrato ou de redução de jornada e salário — proíbe o pagamento da complementação de renda para aposentados e pessoas que têm vínculos com cargos públicos, além de cidadãos que recebem seguro-desemprego, Benefícios de Prestação Continuada (BPC/Loas) ou bolsa de qualificação profissional.

O Ministério da Economia divulgou dados que mostram que mais de 9,3 milhões trabalhadores formais assinaram com seus empregadores acordos previstos na Medida Provisória 936. A Dataprev processou 7,9 milhões de requerimentos. Os dados foram liberados em seis lotes, e 7,081 milhões foram aprovados.

Leia Também

Homem baleado na cabeça na Mato Grosso morre na Santa Casa
Cidade Morena
Homem baleado na cabeça na Mato Grosso morre na Santa Casa
Três ex-guardas municipais envolvidos na milícia dos Name são soltos pela Justiça
Cidade Morena
Três ex-guardas municipais envolvidos na milícia dos Name são soltos pela Justiça
Baleado na avenida Mato Grosso está em estado gravíssimo na Santa Casa
Cidade Morena
Baleado na avenida Mato Grosso está em estado gravíssimo na Santa Casa
Energisa cobra atestado de cliente suspeito de covid para não cortar luz em Campo Grande
Cidade Morena
Energisa cobra atestado de cliente suspeito de covid para não cortar luz em Campo Grande