Menu
terça, 29 de setembro de 2020
Economia

Na 13ª queda seguida, mercado reduz previsão de alta do PIB para 1,23% em 2019

Expectativa de inflação dos analistas dos bancos permaneceu estável em 4,07% para este ano. Previsões constam no relatório Focus, divulgado pelo Banco Central

27 maio 2019 - 14h15Por Da redação/G1

Os economistas das instituições financeiras reduziram a estimativa de alta do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano de 1,24% para 1,23%. Foi a 13ª queda consecutiva do indicador. A previsão consta no boletim de mercado também conhecido como relatório "Focus", divulgado nesta segunda-feira (27), pelo Banco Central (BC). O relatório é resultado de levantamento feito na semana passada com mais de 100 instituições financeiras.

As revisões para baixo na expectativa de crescimento do mercado financeiro para o PIB deste ano começaram, com mais intensidade, após a divulgação do resultado do ano passado – quando a economia avançou 1,1%.

No fim de março, o Banco Central estimou expansão de 2% para a economia brasileira neste ano e, na semana passada, o Ministério da Economia baixou a previsão de crescimento de 2,2% para 1,6% em 2019. Para o ano que vem, a expectativa do mercado financeiro de expansão da economia permaneceu estável em 2,50%. Os economistas dos bancos também não alteraram a previsão de expansão da economia para 2021 e para 2022 – que continuou em 2,5% para os dois anos.

Inflação

Para 2019, os economistas do mercado financeiro mantiveram a expectativa de inflação estável em 4,07%. A meta central deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,75% a 5,75%.

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic).

Para 2020, o mercado financeiro manteve em 4% a estimativa de inflação – em linha com a meta central de 4% para o próximo ano. No ano que vem, a meta terá sido oficialmente cumprida se a inflação oscilar entre 2,5% e 5,5%.

Outras estimativas

  • Taxa de juros - O mercado manteve em 6,5% ao ano a previsão para a taxa Selic no fim de 2019. Esse é o índice atualmente em vigor. Com isso, o mercado segue prevendo juros estáveis neste ano. Para o fim de 2020, a previsão continuou em 7,25% ao ano. Desse modo, os analistas continuam prevendo alta nos juros no ano que vem.
  • Dólar - A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2019 ficou estável em R$ 3,80 por dólar. Para o fechamento de 2020, permaneceu em R$ 3,80 por dólar.
  • Balança comercial - Para o saldo da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), a projeção em 2019 caiu de US$ 50,50 bilhões para US$ 50,25 bilhões de resultado positivo. Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas do mercado recuou de US$ 45,55 bilhões para US$ 45,33 bilhões.
  • Investimento estrangeiro - A previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2019, subiu de US$ 82 bilhões para US$ 83,29 bilhões. Para 2020, a estimativa dos analistas passou de US$ 82,52 bilhões para US$ 84,36 bilhões.

Leia Também

Contrabando de mais de R$ 1 milhão é apreendido
Polícia
Contrabando de mais de R$ 1 milhão é apreendido
Jovem cai de moto, é atropelado por ônibus e morre
Interior
Jovem cai de moto, é atropelado por ônibus e morre
Cruel: homem espanca esposa grávida até provocar aborto
Polícia
Cruel: homem espanca esposa grávida até provocar aborto
PF prende suspeito de desvio de verba da saúde em condomínio de luxo de Três Lagoas
Polícia
PF prende suspeito de desvio de verba da saúde em condomínio de luxo de Três Lagoas