Menu
Busca quarta, 08 de julho de 2020
ALMS
Economia

Produção global de alimentos precisaria aumentar 60% para garantir equilíbrio

Dado é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura

16 outubro 2016 - 13h16Por Agência Brasil

Na data em que se comemora o Dia Mundial da Alimentação (16), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) destaca que, com as mudanças climáticas, o desafio de alimentar uma crescente população mundial aumenta. Segundo o representante da entidade no Brasil, Alan Bojanic, a seca fez com que o Nordeste do Brasil perdesse 50% de sua produção nos últimos cinco anos, se comparado com os cinco anteriores.

Com o tema “O clima está mudando. A alimentação e a agricultura também devem mudar” como destaque da data em 2016, a FAO estima que o número mundial de habitantes vai superar os 9 bilhões em 2050. Segundo o órgão internacional, a produção mundial de alimentos precisaria aumentar em 60% para assegurar o equilíbrio da segurança alimentar.

“Precisamos ver resposta para esse problema. Precisamos de uma agricultura mais adaptativa, diferente, que seja sustentável, ambientalmente amigável e essa agricultura precisa de muita pesquisa. Precisamos de mais variedades de alimentos que aguentem as variações de precipitação, de calor, de frio, problemas de enchente. Uma agricultura adaptativa a essas mudanças climáticas”, ressalta Bojanic.

Segundo a FAO, cultivar alimentos de forma sustentável significa adotar práticas que produzam mais com menos insumos na mesma área e usem recursos naturais com sabedoria. Significa, também, reduzir o desperdício, com melhor colheita, armazenagem, embalagem, transporte, infraestrutura e comércio.

Mesmo com uma produção eficiente, o representante da FAO defende políticas públicas que facilitem o acesso dos mais pobres ao alimento. “Você pode produzir na quantidade suficiente, mas pode não ter acesso, ou seja, pode não ter segurança alimentar para todos. É importante ter equilíbrio entre acesso e produção no contexto nas mudanças climáticas”, destaca Bojanic.

Brasil

No Brasil, cerca de 3% da população vive em situação de vulnerabilidade alimentar. “O Brasil saiu do mapa da fome em 2014 por causa de políticas públicas que facilitaram o acesso aos alimentos, principalmente alimentação escolar, que é uma chave para acesso, mas também transferência de renda, fortalecimento da agricultura familiar, o apoio à população da região semiárida com cisternas e carros-pipa”, acrescenta Bojanic.

Leia Também

Com mais seis vidas perdidas, Mato Grosso do Sul passa dos 11 mil casos de coronavírus
Saúde
Com mais seis vidas perdidas, Mato Grosso do Sul passa dos 11 mil casos de coronavírus
Quarta-feira gelada tem live de Sepultura, Mumuzinho, Supla e mais
Geral
Quarta-feira gelada tem live de Sepultura, Mumuzinho, Supla e mais
Em MS, exportações de carne de aves disparam com rígido protocolo de biossegurança
Economia
Em MS, exportações de carne de aves disparam com rígido protocolo de biossegurança
OPORTUNIDADE: Fapec abre vaga para coordenador de cursos e aplicações
Cidades
OPORTUNIDADE: Fapec abre vaga para coordenador de cursos e aplicações