Menu
terça, 24 de novembro de 2020
Economia

Produtores rurais preparam ultimato para governo resolver invasão de terras

Conflitos Indígenas

08 novembro 2013 - 06h00Por Aline Oliveira

 

Produtores rurais se reuniram na tarde desta quinta-feira (7), no auditório da Acrissul para discutir os preparativos para reunião que acontecerá com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, no próximo dia 21 e quais serão as atitudes que deverão tomar após 30 de novembro, prazo que o governo federal pediu para resolver a questão das indenizações nas terras invadidas.

 

Segundo o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia é preciso definir a situação dos produtores, já que dezenas de reuniões foram feitas até agora e o único anúncio concreto do governo é que até dia 30 estaria definido o calendário de indenizações. "Vivemos num Estado sem ordem, onde a polícia não se manifesta e todos assistem os produtores perderem as propriedades sem poder reagir. Esta situação é a mesma que um grupo invadir a casa de uma pessoa e exigir que ela saia, sem mais nem menos", argumentou.

 

Maia ressaltou ainda que o calendário agrícola está caminhando e os produtores estão perdendo prazo para o plantio e renovação do pasto. "Quem teve as áreas invadidas está de mãos atadas sem poder trabalhar, temos que resolver isso de uma vez", afirmou.

 

Novidades - Na ocasião, o advogado de um grupo de produtores, Newley Amarilla levou ao conhecimento dos presentes que dificilmente a União terá o recurso necessário para indenizar os produtores até o final de novembro. "Conversei com os senadores Delcídio do Amaral e Waldemir Moka e ambos me alertaram que não há possibilidade de que o governo cumpra com os pagamentos até o final do ano. Se isso não acontecer, ano que vem é que não acontecerá já que é ano de eleição", declarou.

 

Amarilla acrescentou que os dois pilares de qualquer Estado são o direito da vida e da propriedade e um governo que não assegura isso merece ser derrubado. "Nossa forma de responder é mostrando nossa união e força. Os políticos querem nosso apoio nas urnas não é? Então terão que atender nossas reivindicações, já que o Estado não tem dado condições de assegurar o direito de propriedade do cidadão", pontuou.

 

O diretor secretário da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Ruy Fachini Filho declarou que a única forma de conseguir resolver esta situação é unir esforços com todas as entidades que apoiam os produtores. "Participei da reunião na qual esteve presente a presidente da Funai, Maria Augusta Assirati e ela não acrescentou nenhum fato novo ou coerente. Pelo contrário, falou muito pouco, o que deixou todos os participantes indignados. Resumindo parece que ela não sabia o que estava fazendo lá".

 

Na avaliação da produtora rural e advogada, Luana Ruiz a única solução para o desfecho das invasões de terra em Mato Grosso do Sul é indenizar por um preço justo ou reintegrar a terra aos proprietários. "Foram feitas duas frentes de trabalho, uma da Funai que fez o levantamento de benfeitorias nas propriedades e outra da Agraer que avaliou as terras. Nós tínhamos feito um acordo na reunião com o ministro de que os produtores seriam avisados com antecedência, do início dos trabalhos para acompanhar o grupo. Porém, isso não aconteceu e fomos avisados por um funcionário do Incra no dia em que se deslocavam para ir até as propriedades", denunciou.

 

A família de Luana é proprietária de uma área de 1.300 hectares no município de Antonio João, que foi invadida em 1998 e até hoje não houve definição sobre o local. "Nossas terras foram invadidas e o grupo ocupou 300 hectares e lá permanecem até hoje. O que precisa ficar claro é a irresponsabilidade do governo em prometer algo que já sabia que não iria cumprir. Eles (governo) estão tentando apagar fogo com gasolina", ponderou.

Leia Também

Está faltando cerveja no mercado: bebida começa a faltar no Brasil
Geral
Está faltando cerveja no mercado: bebida começa a faltar no Brasil
Vendedor diz que guarda municipal faz concurso a “nível macaco” e se dá mal
Polícia
Vendedor diz que guarda municipal faz concurso a “nível macaco” e se dá mal
Senador é suspeito de estuprar jovem depois de festa em São Paulo
Política
Senador é suspeito de estuprar jovem depois de festa em São Paulo
Geraldo Resende alerta para novo aumento de casos da covid em MS
CORONAVÍRUS
Geraldo Resende alerta para novo aumento de casos da covid em MS