TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
sábado, 02 de julho de 2022 Campo Grande/MS
Economia

Setor industrial pressiona para retomar atividades em MS

Fiems alega que o retorno é necessário para aliviar um pouco o rombo na economia estadual

26 março 2020 - 16h45Por Diana Christie

O setor industrial está pressionando para retomar as atividades em Mato Grosso do Sul, interrompidas como precaução ao avanço da pandemia do novo coronavírus. O presidente da Fiems, Sérgio Longen, alega que o retorno é necessário para aliviar um pouco o rombo na economia estadual.

“Tenho conversado com os prefeitos das maiores cidades do Estado, com o governador Reinaldo Azambuja, com os presidentes de outras federações das indústrias do País e com outras lideranças empresariais e todos acreditam que as medidas emergenciais tomadas na semana passada contribuíram para segurar o avanço em larga escala da doença e, portanto, muitas já podem ser flexibilizadas, permitindo uma retomada das atividades econômicas”, analisou.

Para Longen, na primeira fase as pessoas precisavam analisar os efeitos do vírus no organismo e, na segunda fase, veio o pânico e o isolamento social foi necessário. Agora, segundo ele, começa a terceira fase onde as pessoas estão preocupadas com a economia e é preciso reajuste para a retomada gradual da produção.

“Já foi identificada hoje que alguns setores podem começar a flexibilizar suas atividades. Conversei com o prefeito Marquinhos Trad para avaliar com a Prefeitura de Campo Grande as ações tomadas por ele e ajustar algumas coisas relacionadas com a indústria. Também conversei com o secretário Jaime Verruck (Semagro) e, por meio do CMC (Comitê de Monitoramento da Crise), também analisamos alguns pontos para possibilitar essa retomada da produção”, relatou.

Ele ressalta que, se as coisas continuarem como estão, muitas pessoas vão falir ou ficar desempregadas. “De agora em diante, se nada for feito, o prejuízo econômico será muito grande, teríamos um índice de desemprego enorme, gerando um problema social imenso. A equipe técnica do Ministério da Saúde já confirmou que os jovens têm uma pequena chance de um agravamento na saúde na eventualidade de contrair o Covid-19, diferentemente dos idosos, que podem ter sérias complicações. Então, por isso, as pessoas com mais de 60 anos devem continuar em isolamento social e as demais camadas da sociedade podem retomar suas atividades, desde que seja de forma gradual”, pontuou.