Menu
sábado, 24 de outubro de 2020
Economia

Temporada de pesca esportiva em Corumbá movimenta R$ 100 mi

Economia

01 fevereiro 2014 - 19h55Por Diário Corumbaense

A partir de hoje, 1 de fevereiro, está liberado o pesque e solte no rio Paraguai. A pesca de captura está suspensa até 28 de fevereiro e o desrespeito à legislação pode levar os infratores a serem presos e encaminhados à delegacia de Polícia Civil para lavratura do auto de prisão em flagrante, podendo, se condenados, pegar pena de um a três anos de detenção.

À exceção do pesque e solte na calha do principal rio pantaneiro, a única pesca permitida neste período, na bacia do rio Paraguai e nos rios de domínio do Estado de Mato Grosso do Sul na Bacia do Paraná, é a pesca de subsistência.

Com o pesque e solte liberado, o segmento do turismo de pesca esportiva de Corumbá já sabe que tipo de turista vai chegar à cidade para a temporada e quanto ele deve gastar durante a estadia. Esse perfil foi identificado pela pesquisa de Demanda e Movimentação Econômica do Turismo de Pesca Esportiva, realizada pelo Observatório do Turismo.

Apresentados esta semana durante reunião do Conselho Municipal do Turismo, os dados da pesquisa mostraram que a movimentação econômica na cidade provocada pelo turista da pesca esportiva foi de praticamente R$ 100 milhões ao longo dos oito meses de temporada em 2013. A pesca fica completamente liberada a partir de 1º de março.

Esse dinheiro, mais precisamente R$ 99.551.759,04, girou na economia corumbaense a partir da movimentação turística nos chamados cruzeiros fluviais – que são oferecidos pelos barcos hotéis – e polos turísticos da zona rural: Distrito de Albuquerque, Porto da Manga/Passo do Lontra e Porto Morrinho. O montante leva em consideração da cadeia direta e indireta do segmento.


A pesquisa mostra que o turista que vem a Corumbá para praticar a pesca esportiva é do sexo masculino, casado (79,82%), tem entre 46 a 65 anos (46,63%) e vem da região Sudeste do Brasil (73,54%), predominantemente do estado de São Paulo, e tem renda acima de R$ 5.001 (69,96%).


No período em que permanecem na cidade, gastam mais de R$ 3 mil com compras diversas. No cálculo da pesquisa deixam, só com esses gastos, a quantia de mais de R$ 1,3 milhão. Um dado curioso é que eles também vão à Bolívia e gastam o estimado em R$ 8 milhões em compras naquele país.

Leia Também

Traficante 'Disson' é executado em plena luz do dia
Polícia
Traficante 'Disson' é executado em plena luz do dia
Grupo organiza feijoada beneficente em prol de Simão, o 'motorista dos jornalistas'
Cidades
Grupo organiza feijoada beneficente em prol de Simão, o 'motorista dos jornalistas'
Bombeiros que lutaram contra as chamas em MS recebem homenagem em Campo Grande
Cidades
Bombeiros que lutaram contra as chamas em MS recebem homenagem em Campo Grande
Prefeitura vai recorrer de decisão que aumenta tarifa do ônibus em Campo Grande
Cidade Morena
Prefeitura vai recorrer de decisão que aumenta tarifa do ônibus em Campo Grande