Menu
Busca terça, 02 de junho de 2020
Camara - corona
Economia

Vendas no comércio varejista brasileiro mostraram desempenho acima do esperado, em agosto

Variação

15 outubro 2013 - 10h15Por Ana Rita Oliveira Chagas

Analistas ouvidos pela Reuters previam que as vendas no varejo teriam variação negativa de 0,10 por cento na comparação mensal e alta de 4,6 por cento sobre o mesmo mês do ano passado.

Além disso, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revisou para cima os dados das venda de julho, passando de 1,9 por cento para expansão de 2,1 por cento.

Em agosto, oito das dez atividades pesquisadas tiveram resultados positivos na comparação mensal. Os principais destaques foram: equipamentos e material para escritório, informática e comunicação; além de veículos e motos, partes e peças; com crescimento de 7,6 por cento e 2,6 por cento, respectivamente.

Na ponta oposta, houve recuo em combustíveis e lubrificantes; além de tecidos, vestuário e calçados.

Na comparação anual, ainda segundo o IBGE, registraram crescimento nove atividades. Na ponta oposta, apenas o grupo livros, jornais, revistas e papelaria teve redução, com queda de 0,2 por cento.

Um dos principais entraves para o desempenho do varejo tem sido a inflação elevada. Para tentar reduzi-la, o Banco Central já elevou a taxa básica de juros do país em 2,25 pontos percentuais, para 9,5 por cento ao ano, mas isso torna os empréstimos mais caros e tira fôlego da demanda.

Leia Também

Criança morre após ter pescoço cortado por linha de cerol
Polícia
Criança morre após ter pescoço cortado por linha de cerol
Criança é socorrida por helicóptero da Marinha com fratura e levada para Corumbá
Interior
Criança é socorrida por helicóptero da Marinha com fratura e levada para Corumbá
COVID-19: “espero que Mato Grosso do Sul não faça a opção pela morte”, diz secretário
Saúde
COVID-19: “espero que Mato Grosso do Sul não faça a opção pela morte”, diz secretário
Vereador diz que 54% das mortes de covid-19 são de pretos e pardos
Política
Vereador diz que 54% das mortes de covid-19 são de pretos e pardos