TJ BANNER JUNHO 2022
PREF MARACAJU JUNHO REFIS 2022
Menu
sábado, 25 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Juntas na saúde e na doença

Há cinco anos, Mirian se tornou 'mãe de sua mãe' e ensina sobre o amor incondicional

Dona Madá, como é conhecida, foi diagnostica com doença de Alzheimer em 2017

08 maio 2022 - 15h15Por Antonio Bispo

O amor incondicional entre mãe e filha não se abalou quando dona Madalena, aos 86 anos, foi diagnosticada com a doença de Alzheimer, no início de 2017, fazendo com que Mirian, aos 47 anos, se tornasse mãe da sua mãe.

É o que conta a professora Mirian Borges, que no final de 2016, começou a perceber leves sinais da doença sendo apresentados no comportamento da mãe.

Inicialmente, ela esquecia o que as pessoas falavam, sendo preciso repetir por diversas vezes aquilo que foi dito. Porém, alguns meses depois, os sintomas começaram a ficar mais severos.

"Ela tinha esquecimentos drásticos, como abaixar a tampa do fogão e ligar o fogo com a chaleira em cima do vidro. Ela abria a geladeira e deixava aberta. Não conseguia, também, lavar as louças corretamente. Ela pegava as louças sujas e guardava no armário como se estivessem limpas, e aquilo tudo a gente foi observando", contou.

Ao notar esses sinais, decidiram levá-la ao médico, quando, após exames, veio o resultado que mudou por completo a vida da família.

Entretanto, tudo começou a piorar quando no mesmo ano, precisaram mudar da casa onde moravam, pois o cunhado precisou vendê-la urgentemente por condições financeiras.
"A casa era um lugar que ela gostava demais, ela se sentia acolhida, era uma casa que tinha pomar e ela cuidava do jardim e dos animais".

Além disso, Mirian foi perdendo, aos poucos, a companhia diária da mãe que a acompanhava nos cultos da Igreja, em casa de amigos e outros passeios que as duas sempre faziam juntas, uma vez que, desde que casou, sempre esteve ao lado dela.

Com o tempo, a doença foi se agravando cada vez mais e foi percebendo que somente o corpo dela permaneceu.

"Minha mãe já não estava mais aqui, a alma dela. Ela já não tinha mais consciência de nada que se passava em volta", relatou.

Para conseguir passar por toda essa provação, conta com a ajuda do marido e do filho, que atualmente está com 19 anos, e se tornou "pai da sua avó".

O jovem foi criado por dona Madá, mas hoje é quem ajuda a cuidá-la para que, a cada dia, ela tenha uma melhor qualidade de vida.

Entretanto, Mirian conta que todo dia é um novo dia para recomeçar e agradecer por tudo que tem ocorrido em sua vida, embora, muita vezes, as provações sejam difíceis.

"Tem dias que eu fico muito triste, choro, e falo olhando para ela: 'mainha, quanta saudade eu tenho de você'. Porque o corpinho dela está aqui ainda, mas a alma não está mais. Às vezes ela me reconhece, mas na maioria das vezes não. Tem dias que ela está super bem e me chama de filha, às vezes me chama pelo nome e isso me faz muito feliz".

A professora relata, ainda, que já pensou em colocá-la em um lar para idosos, porém não teve coragem, uma vez que ali jamais seria a família e o lar dela.

"Eu decidi dar qualidade de vida para ela em casa mesmo. Tudo que nós podemos, nós fazemos com muito amor, carinho, aconchego. E ela senta na mesa todos os dias para comer com a gente, na cadeira. Ela fala do jeito dela, mas a gente está ali, interagindo. Ela dá risada do nada, a gente ri da risada dela e tudo faz a gente se sentir família ainda. E graças a Deus, Deus tem me dado muita força e coragem de continuar cuidado da minha mãe".

Mesmo trabalhando 40 horas semanais, com o apoio do marido e do filho, dá um jeito de sempre estar próxima da mãe.

"Não tem sido fácil, mas tem sido possível. O amor faz tudo tornar possível e faz tudo ficar mais leve", afirmou.

Após cinco anos de muita luta, a família conseguiu tirar uns dias de férias e, juntos, os três foram até a Bahia, onde curtiram momentos de alegria e descontração.

Como a viagem de Mato Grosso do Sul até o Nordeste seria muito longa, decidiram deixar a idosa na casa da outra filha, que mora em Santa Catarina, e deu apoio nessa empreitada.

"Eu não tenho muita liberdade de sair aos finais de semana e feriados como gostaria, mas eu sei que estou fazendo aquilo que é o certo, cuidar de quem cuidou de mim, e amar quem me amou e me cercou de cuidados e carinhos durante toda a minha vida".

Para esse Dia das Mães, Mirian, que se tornou mãe da sua mãe, só deseja tudo de melhor e ressalta que, quem puder, aproveite o máximo a presença daquela que sempre nos amou e sempre nos amará.

"Valorizar as mães, pois elas são tudo de bom na vida. Todos os anos eu abraçava, beijava e dava presente para a minha mãe, mas hoje eu não consigo nem fazer isso, porque o presente mesmo, dou com muito amor e carinho nos cuidados diários, mas é isso que importa. Isso é muito melhor que qualquer bem material", finalizou.