TCE MAIO
(67) 99826-0686

Violência: No Jockey Club, bandidos cortam cercas e até perfuram muros para roubar

Tentando barrar a ação criminosa, moradores buscam a tecnologia, mas mesmo assim os crimes continuam

12 DEZ 2016
Anna Gomes
13h55min
Foto: Geovanni Gomes

Com a cidade cada vez maior, a criminalidade também aumenta em Campo Grande e para tentar conseguir pelo menos um pouco de segurança em suas residências, a população está buscando diversos recursos como alarmes, cercas elétricas e câmeras. O problema é quando mesmo com todos esses 'obstáculos' os bandidos ainda conseguem invadir as casas dos cidadãos, que acabam virando 'reféns' do próprio local onde moram.

Um exemplo de bairro que, com frequência, está sendo 'dominado' pelos criminosos é o Jockey Club, na Capital. A presença de usuários de drogas é constante no lugar e, para manter o vício, eles acabam furtando as residências.

Segundo os moradores do bairro, praticamente todas as casas já foram roubadas ou assaltadas. Além de praticar os crimes, os bandidos estão tão ousados que invadem as residências abandonadas do bairro, arrombam portas e janelas e ficam 'morando'.

Ainda conforme relatos de populares, o Jockey Club fica bem próximo a Vila Nhá-Nhá, local conhecido por ter várias bocas de fumo. Para manter o vício, os usuários de drogas cometem os delitos no Jockey Club, vendem objetos na Nhá-Nhá e conseguem os entorpecentes.


(Na Avenida Paulista, praticamente todas as casas já foram furtadas. Foto: Geovanni Gomes)

Tentando barrar os furtos e roubos, os moradores estão partindo para a tecnologia, mas a maioria das vezes, mesmo com toda segurança, a população fica vulnerável a criminalidade.

Um exemplo aconteceu com uma empresária de 31 anos, que diz que após ter sua casa invadida por bandidos várias vezes, decidiu instalar alarme e cerca elétrica com a intenção de barrar a ação dos criminosos. Mas nem assim, sua residência ficou livre dos ladrões.

Neste domingo (12), a empresária, juntamente com o esposo e seus dois filhos, saiu de casa para aproveitar o dia na casa dos parentes. Quando a família retornou para a residência, a surpresa: tudo estava revirado e vários objetos haviam sido furtados.

"Eles conseguiram entrar mesmo com todos obstáculos que tentamos colocar.  Estragaram a cerca elétrica e invadiram nossa casa pelo buraco do ar-condicionado. Quando chegamos, as roupas estavam todas no chão, levaram tablets, celulares, dinheiro, tudo que conseguiram. Tenho dois filhos pequenos que ficaram traumatizados e não conseguiram dormir com medo desses bandidos entrarem na casa de novo. Ao lado, tem um terreno baldio e eles fizeram um buraco no nosso muro", lamenta a mulher.

(Bandidos entraram pelo ar condicionado. Foto: Repórter Top)

Na Avenida Paulista, praticamente todas as casas já foram invadidas por usuários que levam tudo que tiver pela frente, desde cadeiras até geladeiras ou televisores. Ainda de acordo com  populares, é 'normal' ver pessoas com eletrodomésticos nas costas descendo para a Nhá-Nhá.

(Casa revirada pelos ladrões e a sensação de ter a casa invadida revolta os moradores do bairro)

"Um dia vi um usuário carregando sozinho uma geladeira. Aqui não pode deixar nada, cadeiras, bancos, até minha uma mangueira já levaram. Certa vez, invadiram minha casa, roubaram vários objetos, defecaram no meu quintal e ainda os ladrões usaram as roupas dos meus filhos que estavam no varal para se limparem. É um absurdo, precisamos de segurança", disse a moradora.

(Criminosos arrancaram o ar-condicionado para furtar. Foto: Repórter Top)

Casas que estão abandonadas acabam virando um refúgio para esses usuários que não se intimidam em morar nessas residências após arrombarem janelas e portas. Um exemplo acontece na Rua das Orquídeas, esquina com a Sol Nascente, também no Jockey. O lugar virou uma 'pensão' de usuários de drogas.


(Casa abandonada vira pensão de usuários de drogas. Foto: Geovanni Gomes)

Outra moradora disse que mesmo os dois cachorros na casa não inibiram os criminosos. "Quando cheguei, vi que a residência havia sido invadida e também acho que bateram nos meus cães, que ficaram com muito medo, se escondendo entre os móveis".

A equipe de reportagem tentou entrar em contato com a 5ª Delegacia de Polícia Civil, responsável pelos casos que acontece na região do Jockey Club, mas até o fechamento desta matéria, não obteve respostas. 

Veja também