(67) 99826-0686

Trabalhando como açougueiro, Ademilson se inspira em Romero Britto e sonho é viver da arte

Ademilson assina algumas obras pela cidade e sonha em transformar o hobby em profissão

24 JUN 2019
Nathalia Pelzl
08h35min
Foto: Repórter Top

O açougueiro Ademilson Gomes Alves, 36 anos, mais conhecido como 'Cabelo' - apesar de ser praticamente careca – ainda sonha em viver do que realmente ama: a arte. Ele conta que devido aos custos com casa e educação dos filhos, a paixão acabou se tornando um hobby, por enquanto.

“Sempre gostei de arte, desde criança, comecei a fazer para ganhar um dinheiro extra com 16, 17 anos, porém viver dela é complicada, ainda mais quando tem casa, carro pra pagar e ainda mais com 2 filhos pequenos, então  por enquanto eu vejo como um extra mesmo. Mas se DEUS quiser, um dia vou viver do que realmente gosto de fazer”, revela.

Questionado sobre como surgiu o amor pela arte, em especial a pintura, ele conta que não se lembra ao certo, tendo como referência em suas obras o artista brasileiro Romero Britto, além do amor pelo Pantanal.

“Sempre gostei de desenhar, trabalhei com meu cunhado e o pai dele com esculturas do Pantanal, foi aí que comecei a me aprimorar na parte de pintura. Ultimamente ando fazendo várias releituras do artista Romero Britto, principalmente em pet shop”, comenta.

Sobre sua atual referência e ser um seguidor nato do artista, ‘Cabelo’ diz que o que gosta mesmo é arte, independente do estilo.

“Na verdade se me perguntar qual é o meu estilo, eu vou dizer que gosto de arte, daí sempre vejo o que a pessoa quer que eu desenhe. Gosto muito de paisagens também, em especial do nosso Pantanal”.

Além disto, o artista tem uma forte aliada na divulgação dos seus trabalhos, as redes sociais. Ele revela que outra forma de divulgação  que ele encontrou, foi colocar o número do seu telefone nas pinturas que produz.

“Sempre divulgo no Facebook meus trabalhos e, graças a Deus, tem muita gente que gosta. Outra forma que encontrei também foi deixar meu telefone em minhas pinturas”.

Quem tiver interesse em ajudar, pode entrar em contato através do telefone (67) 9  9269-2015.

Veja também