TCE MAIO
ASSEMBLEIA MAIO DE 2022 2
Menu
sexta, 20 de maio de 2022 Campo Grande/MS
GOV EMPREGO MAIO
Geral

A Fazenda: Evandro Santo conta passado de Rodrigo Lombardi e revela "vivia duro e tomando cerveja"

Humorista abriu o coração e falou sobre o começo da carreira no reality

17 novembro 2018 - 12h50Por Redação / TV Foco

O humorista Evandro Santo decidiu abrir o jogo com João Zoli em A Fazenda e falou sobre o início da sua carreira. “Quem começou com a onda de stand up, o responsável por fazer bombar o stand up no Brasil foi o Rafinha Bastos. Porque nós tínhamos grupos, eu era de um, o Danilo de outro. O Rafinha falou assim: ‘Eu vou trazer o stand up’”, declarou.

“Só tinha um cara que fazia stand up com maestria que era o Mansfield. A primeira apresentação do Rafinha foi péssima porque ele não tinha a manha. Mas ele insistiu no gênero. Quem bateu de frente e abriu esse mercado foi o Rafinha”, completou.

Ele explicou como entrar nessa onda do sucesso. “O que que era importante: que você pode ou não ficar famoso, eu ia em festas onde as pessoas já eram alguma coisa, essas pessoas até te conhecem, mas elas não vão te chamar. Você tem que ter o faro, o feeling de saber onde está surgindo o movimento novo, uma ideia nova, quando tem essa explosão de movimento, se você tiver esse faro você vem junto com esse pessoal, que há cada dez anos recicla. Hoje eu já sou veterano, quem está no auge é Whindersson, é um pessoal de Youtube”, disparou.

Além disso, ele contou uma história que tem com Rodrigo Lombardi. “Você vai nos lugares bacanas? Vai. Mas vai naquele bar no gueto, aquela peça experimental, que é desses lugares que brotam esses movimentos culturais. Nego que você via ali tomando uma cerveja e sempre duro, de repente Rodrigo Lombardi.

“Quando a gente fazia o Deboshow, Rodrigo namorava a Marcela Leal, vivia de locução e dublagem, a gente fazia um show em um bar chamado Eugênia, e no subsolo eu, Rodrigo Lombardi, Marcela Leal, ficava comendo bruscheta. O Rodrigo já era bonito, ficava correndo atrás de teste, vivia mais da voz dele. Por isso que toda vez que eu ia entrevistar ele eu sempre jogo: 'E as nossas bruschettinhas lá na Eugênia' Ele estourou depois dos trinta", contou.”