Menu
quarta, 23 de setembro de 2020
Geral

Aluno suspeito de matar coordenador de escola é apreendido e diz que teve 'momento de fúria'

Segundo investigação, estudante atirou após a vítima dizer que iria transferi-lo de colégio

01 maio 2019 - 13h15Por G1/GO

A Polícia Civil apreendeu nesta quarta-feira (1º) o estudante de 17 anos suspeito de matar um coordenador da Escola Estadual Céu Azul, em Valparaíso de Goiás, no Entorno do Distrito Federal. Segundo a investigação, Júlio Cesar Barroso de Sousa, de 41 anos, foi morto após uma discussão no colégio.

"O menor alega que foi um momento de fúria, com a professora e depois o professor, mas não tem justificativa nenhuma. Foi um ato covarde", disse o delegado regional, Rogério Moreira.

O adolescente fugiu após o crime, que aconteceu na terça-feira (30). Segundo Moreira, o aluno foi apreendido no início desta tarde, na casa de um parente em Novo Gama, a cerca de 10 km de distância de Valparaíso de Goiás.

“A própria família não coaduna com o comportamento do menor. Após negociações entre a Polícia Civil e a família, nós nos deslocamos até essa residência. Ele estava escondido numa árvore, nos fundos da residência, e acabou se entregando”, disse o delegado.

Morte em colégio

O delegado Rafael Abrão, que é o responsável pelo caso, disse que, horas antes do homicídio, o suspeito teve uma discussão com uma professora por assuntos disciplinares. Júlio César, então, interveio, e afirmou que iria transferir o adolescente, que o ameaçou. No período da tarde, o adolescente voltou à escola e atirou.

"Este aluno chegou a ofender verbalmente a professora e o coordenador interveio na discussão e também começou uma discussão. Foi quando o coordenador disse que ia transferi-lo de escola. Nesse momento, o aluno virou para ele e disse: ‘O senhor pode até me transferir de escola, mas você vai pagar por isso'. Mais tarde esse aluno retornou para escola, já armado", explica Rafael.

Ainda conforme a polícia, o coordenador foi atingido por dois disparos, sendo um nas costas, enquanto corria, e outro a curta distância. “Ele invadiu a sala dos professores, onde a vítima estava, teve uma breve discussão entre eles, foi quando o menor sacou o revólver. O professor ainda tentou correr, ele efetuou um dos disparos nas costas, a vítima caiu e, em seguida, ele (menor) foi a curta distância e efetuou mais um disparo”, destacou Rafael.

De acordo com a polícia, o estudante tem antecedente por ato infracional análogo a roubo. No entanto, não há registro de outras confusões na escola.

“Segundo relatos, este aluno não era um aluno problemático. Era um aluno mais quieto, mais reservado e nunca se envolveu em nenhum tipo de confusão na escola”, afirmou o delegado.

Aulas suspensas

A Secretaria de Estado da Educação de Goiás (Seduc) informou que, diante do ocorrido, as aulas em todas as escolas estaduais da cidade estão suspensas até sexta-feira (3).

"Nossa secretária determinou que mandem uma equipe multiprofissional para conversar com os alunos e com os educadores para que na segunda-feira a gente possa retornar as aulas, mas depois de ter feito todo um trabalho e todo suporte que a secretaria possa dar a todos", explicou o superintendente executivo da Seduc, Manoel Barbosa dos Santos.

Um cartaz de luto foi colocado no portão da escola. De acordo com informações da TV Anhanguera, Júlio César era casado e deixa dois filhos pequenos de 4 e 6 anos.

Leia Também

Mandetta descarta processar professor que o chamou de 'genocida': 'nada me ofende'
Cidades
Mandetta descarta processar professor que o chamou de 'genocida': 'nada me ofende'
Johnson anuncia testes de fase 3 de candidata a vacina para covid-19
CORONAVÍRUS
Johnson anuncia testes de fase 3 de candidata a vacina para covid-19
Câmara aprova CNH com validade de 10 anos
Política
Câmara aprova CNH com validade de 10 anos
Justiça não consegue intimar Flordelis; deputada não estava em casa
Polícia
Justiça não consegue intimar Flordelis; deputada não estava em casa