Menu
sexta, 25 de setembro de 2020
Geral

Ator é indiciado por 16 crimes após ser acusado de simulação

Jussie Smollett alega que sofreu violência física por ser negro e gay, mas a suspeita é que ele tenha forjado ataque

11 março 2019 - 18h52Por Terra

ator Jussie Smollett, da série Empire, foi indiciado por 16 crimes em júri popular na última sexta-feira, 8, após ser acusado de simular um falso crime de ódio, quando afirmou à polícia de Chicago que sofreu ataques raciais e homofóbicos por dois homens em janeiro deste ano.

Tudo começou quando o ator negro e abertamente gay alegou que foi agredido fisicamente em uma rua de Chicago. Os dois suspeitos, Abel e Ola Osundairo, foram detidos após serem vistos passando pelo local em imagens de uma câmera de vigilância, mas foram liberados por falta de provas.

A denúncia do ator ainda não foi comprovada e, após interrogar suspeitos, as autoridades locais suspeitam que ele mentiu, alegando que Smollet pagou 3.500 dólares (equivalente a R$ 13.447) aos supostos criminosos para atacá-lo com o objetivo de aumentar sua visibilidade.

No dia 21 de fevereiro, Smollet foi preso, mas pagou fiança de 300 mil dólares (R$ 1,1 milhão) e recebeu a liberdade no dia seguinte. Como ainda não há provas que o sentencie, ele mantém sua inocência perante a Justiça.

No dia do júri, o advogado do ator, Mark Geragos, declarou em nota oficial à People que foi um exagero o ministério público ter incriminado Smollett por 16 crimes. O artista, por outro lado, defende-se dizendo que a intimação policial sobre ele nada mais é do que uma tentativa de desviar a atenção da investigação sobre o vazamento de informações falsas no Departamento de Polícia de Chicago.

A primeira audiência do julgamento está marcada para esta quinta-feira, 14 de março. Caso o crime de falsificação de denúncia seja comprovado, Mark Geragos pode ser sentenciado a até três anos de prisão.

Leia Também

Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Política
Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Interior
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Cidade Morena
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá
Polícia
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá