Menu
terça, 22 de setembro de 2020
Geral

Caso Thayná: acusado diz que sofreu tortura para confessar o crime

Morte aconteceu em outubro de 2017, no município de Viana

26 abril 2019 - 13h23Por Folha Vitória

O desembargador Adalto Dias negou o recurso apresentado pela defesa de Ademir Lúcio Ferreira, acusado de sequestrar, violentar e matar a menina Thayná Andressa de Jesus, de 12 anos. O crime aconteceu em Viana, no Espírito Santo, em outubro de 2017.

O recurso apresentado pela defesa de Ademir solicitava a revisão da sentença da Justiça, que pronunciou o réu no artigo 217-A do código penal, que consiste no crime de estupro de vulnerável. O recurso solicitava ainda a revisão da sentença no artigo 121, que consiste no crime de homicídio.

“É necessário que seja determinada a produção de provas a fim de sanar quaisquer tipos de dúvida quanto à autoria e materialidade do crime”, ressaltou a defesa de Ademir. Segundo o defensor público, o réu sofreu tortura por parte de autoridades policiais, com a finalidade de confissão dos crimes.

No relatório do desembargador, apresentado durante sessão da 2° Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, realizada na última quarta-feira (24), a Justiça concluiu que “inexiste no caderno processual comprovação de conduta agressiva por parte dos servidores públicos atuantes no caso”, conforme analisou o magistrado. Ainda segundo a decisão, o desembargador verificou, a partir da prova pericial, que foi encontrado sangue de Thayná no encosto do banco traseiro do veículo do requerido, bem como sêmen do réu, conforme laudo pericial, o que contradiz a afirmação da defesa de falta de provas do crime.

“Diante do conjunto probatório coligido aos autos, em conformidade com o entendimento da magistrada de 1° grau, que agiu com perfeição ao pronunciar o recorrente, vez que as provas apontam claramente indícios de autoria e materialidade, restou superada a hipótese de absolvição sumária ou impronúncia como requer a defesa”, destacou o desembargador.

Relembre o caso

A menina desapareceu após ir até um supermercado no dia 17 de outubro de 2017. No dia 31 do mesmo mês, a polícia divulgou a foto do suspeito de ter sequestrado a jovem, identificado como Ademir Lúcio Ferreira Araújo. No mesmo dia, também foram divulgadas as imagens de videomonitoramento que registraram o momento em que a adolescente entrou em um carro.

No dia 7 de novembro, a polícia informou que o carro usado no dia do desaparecimento de Thayná havia sido apreendido. De acordo com a Polícia Civil, o veículo era utilizado por Ademir. O carro foi localizado em Guarapari, com um vendedor de queijos, que disse tê-lo comprado por R$ 5 mil em Cobilândia, próximo à feira do bairro, em Vila Velha.

No dia 10 de novembro a ossada da adolescente foi encontrada nas proximidades de uma lagoa, localizada na região conhecida como Parque Industrial, em Viana. O delegado José Lopes, responsável pela investigação do crime, disse, na época, que era provável que o corpo tivesse sido queimado, pois houve registro de fogo na região.

O acusado de sequestrar a estudante foi preso na noite do dia 12 de novembro. Ademir foi encontrado sozinho em uma praça pública, localizada no Centro de Porto Alegre. Após a prisão, a polícia ainda gravou um vídeo com a versão dele sobre o caso. No vídeo, o suspeito disse que, no dia do crime, voltava do bairro Universal, em Viana, quando viu a jovem na rua. Segundo ele, a menina o reconheceu e ele a convidou "para dar uma volta". A mãe, no entanto, garantiu que essa versão era falsa. Clemilda afirmou que, ao contrário do que ele declarou na gravação, nem ela nem a menina o conheciam.

Leia Também

De 36 detentos, só dois foram recapturados após fuga em massa por causa da covid no PR
Geral
De 36 detentos, só dois foram recapturados após fuga em massa por causa da covid no PR
Com 836 óbitos no dia, total de brasileiros mortos na pandemia chega a 138 mil
Geral
Com 836 óbitos no dia, total de brasileiros mortos na pandemia chega a 138 mil
Quadro em branco: aula na rede municipal só online e retorno presencial segue indefinido
Cidade Morena
Quadro em branco: aula na rede municipal só online e retorno presencial segue indefinido
Picape carregada com calhas capota e deixa mulher com ferimentos graves em Dourados
Interior
Picape carregada com calhas capota e deixa mulher com ferimentos graves em Dourados