TJMS SETEMBRO e outubro
Menu
quinta, 21 de outubro de 2021 Campo Grande/MS
senar 18/10 a 21/10
Geral

Com gás nas 'alturas', brasileiros já usam mais lenha para o preparo de alimentos

A nova forma de preparar alimentos acabou sendo necessária diante das altas dos preços

14 outubro 2021 - 11h46Por Dany Nascimento

A crise econômica vêm afetando o bolso dos brasileiros, e o preço médio do gás de cozinha já ultrapassa R$ 100. Diante deste cenário, a lenha acabou ganhando espaço de destaque em muitas casas do país durante a pandemia. 

Segundo o site Capitalist, muitas famílias estão reservando o uso do gás de cozinha apenas em situações de emergência. Outras já até venderam o fogão e recorrem à lenha e ao carvão vegetal para preparar sua comida.

Funcionando como substituto direto do botijão, o consumo de restos de madeira nas residências subiu 18% em 2020 se comparados os dados de 2019, de acordo com um levantamento da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Atualmente, muitas famílias estão reservando o uso do gás de cozinha apenas em situações de emergência. Outras já até venderam o fogão e recorrem à lenha e ao carvão vegetal para preparar sua comida.

Reajustes

Atualmente, de acordo com a EPE, a lenha se tornou a segunda principal fonte de energia do Brasil, com participação de 26,1% – atrás apenas da energia elétrica. Já o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), ou gás de cozinha, conta com 24,4% de participação nos lares do país, ocupando a terceira posição.

O motivo para a troca entre as fontes de energia pelos brasileiros tem a ver com o reajuste nos preços. Em seu último aumento, anunciado pela Petrobras, o preço médio de venda do gás de cozinha subiu de R$ 3,60 para R$ 3,86 por kg, o que equivale a R$ 50,15 no caso de um botijão de 13kg. Como justificativa, de acordo com a estatal, o período de estabilidade nos preços foi mantido por 95 dias.

Mesmo com a expansão da eletricidade e da produção do gás de cozinha no país, que possibilitou o uso de métodos mais modernos no quesito “geração energética”, por exemplo, a diminuição no uso dos produtos é tida para muitos especialistas como um retrocesso. Para fins de comparação, 80% dos lares brasileiros utilizavam lenha para cozinhar ou se aquecer até 1970.