(67) 99826-0686
Gov - Agosto Lilas 09 a 24/08

Criança de cinco anos é amarrada e amordaçada por funcionário de escola

Funcionário foi demitido e foi aberto um inquérito para investigar o caso

12 JUN 2019
Diário de Pernambuco
12h43min
Foto: Google Street View

O funcionário de uma escola municipal de Jabotão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife, foi afastado do cargo, após denúncia de maus-tratos feita pela mãe de um aluno da unidade de ensino.

A criança de cinco anos teria sido amarrada e amordaçada, dentro de uma sala, por apresentar "mau comportamento". De acordo com a Prefeitura de Jaboatão, o servidor trabalhava no setor administrativo da Escola Luiz Regueira, localizada na Avenida General Manuel Rabelo.

"Assim que a Secretaria de Educação tomou conhecimento do caso, o funcionário foi demitido e foi aberto um inquérito. A mãe também já registrou boletim de ocorrência, então ele vai precisar responder à polícia", confirmou a assessoria de comunicação da prefeitura. 

A Polícia Civil de Pernambuco também confirmou o caso, afirmando que a mãe do menino prestou queixa na Delegacia de Polícia de Crimes Contra Criança e Adolescente e Atos Infracionais de Jaboatão dos Guararapes. Ainda de acordo com a PCPE, já foi instaurado inquérito policial sobre o caso, a criança já foi ouvida e está recebendo "assistência necessária". 

Segundo relatos da mãe do aluno à polícia, a criança estaria muito assustada e traumatizada com a situação, que aconteceu na última sexta-feira (7). Ela teria ficado com marcas das fitas no corpo após a "punição".

A Secretaria de Educação do município informou que vem realizando trabalho de acolhimento e resgate com a criança, sua família e com seus colegas de classe. "Amanhã estamos levando uma equipe de psicólogos da secretaria à escola e trabalhando para que a criança volte à escola no tempo dela", disse a secretária-executiva Iane Jardim. 

O funcionário pode ser enquadrado no crime de maus-tratos e, de acordo com as normas do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), pegar de seis meses a dois anos de prisão.  

Veja também