Tribunal de Contas
(67) 99826-0686
Camara - marco

Delcídio e Zé Teixeira discutem conflitos indígenas em MS

Demora

15 NOV 2013
Juliene Katayama
12h01min
Foto: Divulgação

O senador Delcídio do Amaral (PT) se reuniu com o deputado estadual Zé Teixeira (DEM), integrante da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul para discutir sobre os conflitos indígenas no Estado e produtores pela posse da terra no estado.

A preocupação dos dois parlamentares é em relação a demora do governo federal em definir uma solução para o problema. Para ambos, a indefinição só contribui para aumentar ainda mais a tensão no campo, em prejuízo dos indígenas, agricultores e do próprio País.

“Vim dizer ao Delcídio, que acompanha de perto a questão e tem sido um interlocutor importante com as autoridades em Brasília, que os produtores ficaram bastante esperançosos com a ajuda prometida pelo ex-presidente Lula de intermediar um acordo que solucione, definitivamente, esses conflitos, que, como ele próprio disse durante visita a Campo Grande, prejudicam bastante a imagem do Brasil no exterior. Vamos cobrar isso do Lula porque o nosso estado precisa de paz para produzir”, afirmou Teixeira.

Lula - Delcídio agendou o encontro do presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia, o prefeito de Iguatemi, José Roberto Arcoverde (PSDB) e o pecuarista Ricardo Bacha com Lula na manhã de quarta-feira (13), quando foi relatada ao ex-presidente a gravidade da situação em Mato Grosso do Sul, especialmente nas regiões da Grande Dourados, em Miranda e no município de Paranhos. 

O senador está convencido de que Lula vai fazer tudo o que for possível para ajudar a resolver a questão. “O ex-presidente ficou impressionado com o que ouviu e assumiu conosco o compromisso de conversar com a presidente Dilma sobre o assunto. Eu voltarei a Brasília na semana que vem e também vou pedir uma audiência à presidente para reforçar aquilo o que venho dizendo há meses.  O governo federal tem que tomar alguma atitude definitiva até o dia 30 de novembro, como prometeu, seja ela a compra de fazendas para ampliar as aldeias ou qualquer outra solução que traga a paz ao campo e faça justiça aos produtores e às etnias. Não dá para esperar mais”, finalizou o senador.


Fonte: Assessoria

Veja também