TJ BANNER JUNHO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
sábado, 25 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Geral

Ex-secretário da Saúde cita Drummond e diz que havia ‘pedra no caminho’

Ele enalteceu o ex-ministro Mandetta como um dos melhores com quem já trabalhou desde 2001

27 maio 2020 - 07h42Por Nathalia Pelzl

De saída do Ministério da Saúde, o agora ex-secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira citou ter "uma pedra no caminho" no combate à doença, usando trecho do poeta Carlos Drummond de Andrade em sua carta de despedida ao se referir a eventuais interrupções nos trabalhos dos ex-ministros.  

“Estávamos à frente pelo menos duas semanas em relação aos demais países da Europa e Américas, ampliando a capacidade laboratorial, leitos, EPIs e Respiradores. No entanto, como dizia o poeta e conterrâneo Carlos Drummond de Andrade, "no meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho", escreveu Wanderson Oliveira em um blog, sobre o trabalho de Mandetta.  

Na sequência, o então secretário repete o mesmo trecho ao mencionar trabalho que o ex-ministro da Nelson Teich (Saúde) realizou durante um mês que esteve à frente do ministério, conforme noticiou o Globo.

“O ministro Nelson Teich seguiria pelo mesmo caminho. Lamentavelmente não teve tempo de mostrar seu trabalho, pois novamente "tinha uma pedra no meio do caminho".  Nesse curto espaço de tempo, apesar de não me conhecer direito, após duas semanas, efetivamente me convidou para permanecer. Creio que faríamos um ótimo trabalho, mas aí entra o princípio da impermanência...”, afirmou, sem especificar quem seria a pedra no caminho dos dois ex-ministros. 

Braço direito do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta no enfrentamento ao novo coronavírus, ele enalteceu o ex-ministro como um dos melhores com quem já trabalhou desde 2001, quando entrou no ministério, levado pelo então ministro José Serra (PSDB). "Mandetta, Agenor e Temporão estão no hall dos melhores com quem já trabalhei diretamente”, escreveu. 

No texto de despedida, Wanderson Oliveira também agradeceu ao ministro interino da Saúde, Eduardo Pazzuelo, que deve comandar a pasta até o fim da pandemia do novo coronavírus.  

“Desejo sucesso na condução desse grande desafio. Coloco-me ao seu dispor quando precisar. Lamento não ter tido a oportunidade de lhe apresentar os elementos das decisões adotadas na minha gestão. Deixo documentado no Relatório de Gestão 2019-2020 publicado no site da SVS e entregue pessoalmente. É importante se atentar para outros problemas além da COVID-19".