Tribunal de Contas
(67) 99826-0686
Camara - marco

Fãs de TV são pouco engajados no Facebook

Rede Social

6 NOV 2013
Carlos Guessy
17h42min
Foto: Reprodução/Socialbakers

O conceito de segunda tela e a alta conexão entre programas televisivos e redes sociais já são fatores conhecidos no mercado da comunicação digital.

Para revelar a conexão entre a TV e o Facebook, a Socialbakers divulgou nesta quarta-feira 6, uma pesquisa feita na América Latina que mostra como os programas de televisão mais populares são ativos também nas redes sociais, engajando seus fãs e atraindo outros usuários.

O estudo monitorou os 50 programas de TV mais populares da telinha brasileira e de mais nove países. O Brasil ficou com as cinco primeiras colocações no ranking, com um número total de fãs no Facebook acima de 20 milhões. O programa mais popular nas redes sociais é o Pânico da Band. A página oficial no Facebook tem mais de 10 milhões de fãs e é cerca de quatro vezes mais popular que o segundo lugar no ranking da TV na América Latina, o Jornal Nacional, com 2,6 milhões de fãs.

Porém quando se trata de redes sociais, o sucesso das páginas não está relacionado apenas ao tamanho dos perfis. Para medir o nível de interação da audiência, a Socialbakers utilizou o sistema de Engagement Rate - que calcula as interações (Likes, Comments e Shares) e divide pelo número total de fãs no momento da publicação. Com o método, a pesquisa encontrou uma alta taxa de engajamento em programas menores da América Latina, do que os do Brasil.

O programa Desafio Africa - El Origen, da Colômbia, com 7,3 milhões de fãs lidera o engajamento com o público com taxa média de 13% por transmissão - isto inclui todas as interações feitas sobre o conteúdo publicado na página oficial do programa no Facebook. 

A Socialbakers apontou o programa argentino Peligro Sin Codificar como a transmissão com maior engajamento de todos, registrando o número de 132,3 milhões de interações sobre uma única transmissão.

Segundo Cesar Christoforidis, diretor da Socialbakers América Latina, os executivos de entretenimento não veem mais as redes sociais como uma ameaça ao seu negócio, muito pelo contrário. “Muitos de nossos clientes neste espaço fizeram uso do poder deste canal de relativo baixo custo para gerar um maior engajamento com seu público espectador e aumentar sua base de fãs com conversas bilaterais.

Dar poder aos fãs da TV para interagir com seus programas favoritos no Facebook, Twitter ou Youtube, acrescenta muito à sua experiência e prolonga o ciclo de vida dos programas para além do que eram antes da adoção das redes sociais. A forte presença de programas complementados pelas mídias sociais, como Breaking Bad, Game of Thrones ou Top Gear são a prova do quanto esses canais têm sido importantes para o seu sucesso internacional”, enfatiza.

Veja também