TJMS SETEMBRO e outubro
Menu
quarta, 20 de outubro de 2021 Campo Grande/MS
senar 18/10 a 21/10
Geral

Garota deixou mensagem para mãe antes de ser morta: "Mainha, volto hoje"

Saída com amigos nada mais era que uma emboscada para a morte da menina que teve o corpo encontrado em uma mata, em Goiânia

16 setembro 2021 - 16h46Por Vinicius Costa

As últimas mensagens de Ariane Bárbara Laureano de Oliveira, de 18 anos, para a sua mãe indicavam que ela pretendia voltar para a casa no mesmo dia, mas a emboscada criada pelos próprios amigos impossibilitaram o reencontro com a família.

“Mainha vou sair”, disse primeiramente a menina e logo escreveu mais duas mensagens. "Volto ainda hoje tá? Só deixa a porta da sala aberta caso vocês forem dormir, porque levarei a do portão", dizia a menina para a mãe.

A morte da garota aconteceu no dia 24 de agosto, mas somente uma semana depois o corpo dela foi encontrado em estado de decomposição em uma mata, na cidade de Goiânia, em Goiás.

Ariane foi assassinada a golpes de facas e esganada no veículo conduzido por amigos. De acordo com o site Metrópoles, a jovem estava contente porque sairia com as amigas para lanchar e com a carona.

A Polícia Civil elucidou o crime nesta quarta-feira (15) e prendeu três pessoas envolvidas que confessaram o crime.

A mãe de Ariane, Eliane Laureano, de 35 anos, compartilhou com o Metrópoles as últimas mensagens enviadas pela filha, antes de ser morta.

Naquele 24 de agosto, a menina escreveu que iria sair, pouco antes de a mãe ter ido ao banco fazer um depósito. Depois das mensagens descritas acima, mãe e filha trocaram áudios e a vítima contou que seria pega de carro no Lago das Rosas, no Setor Oeste da cidade.

A saída virou um motivo de preocupação devido ao horário e falta de respostas de Ariane. A cabeleireira mandou novas mensagens para a sua filha, mas elas não eram respondidas. No dia seguinte, muito preocupada porque a vítima não havia retornado, um novo questionamento no WhatsApp.

"Ariane, cadê você?", escreveu a mãe. Essa pergunta ficou sem resposta entre os dias 24/8 e 31/8, quando a jovem foi dada como desaparecida.

De acordo com a investigação da Polícia Civil de Goiás, Ariane foi assassinada por três pessoas: Raíssa Nunes Borges, de 19 anos, Enzo Jacomini Carneiro Matos, que é uma jovem transexual de 18 anos e que se apresenta como Freya, e Jeferson Cavalcante Rodrigues, 22.

Ariane foi morta, conforme o relato dos presos, porque uma das envolvidas (Raíssa) queria matar alguém para se testar e saber se era ou não psicopata. Ela desejava saber como seria a própria reação, após matar alguém. Se sentiria culpa ou não, de acordo com o Metrópoles.

“Até hoje, eu não acredito que ela morreu. Eu vejo que ela não está mais em casa comigo, mas parece que eu ainda saio procurando por ela, com esse sentimento, sabe, de procurar, como se ela estivesse viva”, descreve Eliane.