Menu
segunda, 14 de junho de 2021
Geral

Igreja Anglicana realiza primeiro casamento homoafetivo no Brasil

No Brasil, a Justiça já havia liberado a união civil entre casais do mesmo sexo no ano de 2011, mas igrejas ainda não autorizavam celebrações

10 junho 2021 - 19h39Por Vinicius Costa

Marcelo Leite Silva, de 47 anos e Márcio Augusto Vinagre, de 42 anos, protagonizaram o primeiro casamento fruto de uma união homoafetiva no Brasil e celebrado dentro de uma igreja anglicana no país. O matrimônio entre o casal aconteceu em março de 2021 e fizeram história com a união deles que são de Santos, mas moram em São Vicente.

No Brasil, a Justiça já havia liberado a união civil entre casais do mesmo sexo no ano de 2011, mas esta foi a primeira vez que uma união aconteceu na igreja. Isso porque as instituições religiosas não autorizavam celebrações homossexuais dentro dos templos.

Segundo detalhes do UOL, Márcio e Marcelo foram anunciados como o primeiro casal da igreja pelo reverendo Leandro. "Olha, eu, você e o Márcio celebramos o primeiro casamento homoafetivo dentro da igreja anglicana em 103 anos de história", teria dito na cerimônia.

Já para o jornal A Tribuna, de Santos, Marcelo Leite disse que gostaria uma benção na união e por isso procurou a igreja para tentar realizar o primeiro casamento de casais do mesmo sexo.

"A gente queria uma benção, uma benção espiritual. Eu sou bastante fervoroso, religioso, e ele também. O reverendo Leandro é muito amigo da minha prima, então a gente resolveu ir conhecê-lo no começo deste ano e foi bem legal", explicou.

A saga do casal passou por momentos de sufoco até chegar no altar. "Uma história que envolve covid-19, enchente, incêndio, o reverendo Leandro e até o Palácio de Buckingham", enfatizou Marcelo.

Um dos principais contratempos era o coronavírus que levou o casal a ficar internado ainda no ano de 2020 e esse percalço da vida deixou a vontade florescer ainda mais entre eles. "No mês de julho, Márcio pegou covid-19 e foi internado. Assim que ele voltou, eu passei mal no Dia dos Pais e fui internado. Passei meu aniversário intubado e em coma, terrível. Fiquei adormecido por dias", relembrou Marcelo.

Depois da covid-19, o casal precisou adiar o casamento por mais duas ocasiões: a primeira foi por causa de uma forte chuva que alagou a cidade de Santos, enquanto a segunda, um dia antes do casamento remarcado, um incêndio destruiu os pertences e o imóvel onde moravam.

O casamento aconteceu entre eles após 5 anos de relacionamento. A instituição recebeu uma carta do Consulado-Geral Britânico de São Paulo, afirmando que os votos seriam passados para a rainha Elizabeth 2ª.