ALMS CONTAR 25/06 A 27/06
(67) 99826-0686

Indígena participa do Grito do Produtor e critica manifestantes contrários a causa

Manifestação Produtores

7 FEV 2014
Aline Oliveira
18h00min
Foto: Geovanni Gomes

 

O evento Grito do Produtor realizado na tarde desta sexta-feira (7) reuniu cerca de 70 produtores rurais, na maior parte, da região Sul do Estado. Os participantes se encontraram na Praça do Rádio Clube com objetivo de conscientizar a população sobre os problemas enfrentados em decorrência dos conflitos rurais do Estado.

 

Na ocasião do evento, um grupo de 20 manifestantes contrários ao evento, aparentemente, universitários provocou os produtores e recebeu uma reposta que não esperavam. O indígena Abrão Metelo, residente na aldeia Passarinho em Miranda pediu o uso da palavra para contestar o grupo.

 

“Sou índio e quero dizer que vocês não me representam, não tem qualidade e só vieram aqui para tumultuar e envergonhar a mim e meus irmãos indígenas. Digo mais, vocês deveriam estudar mais, porque vocês não conhecem nossa realidade de vida”, opinou Metelo.

 

Segundo o idealizador do evento, o produtor Pedro Pedrossiam Filho, o encontro serviu para unir os produtores e oferecer mais estímulo à luta pelos direitos de quem teve as terras invadidas. “Muitos dos produtores que estão aqui hoje nem conheciam a Capital, mas, estamos reunidos para defender nossos direitos. Nesta reunião de hoje plantamos uma semente que irá frutificar e devemos espalhá-la por todo país”, analisou.

 

O produtor criticou o governo federal, afirmando que o conflito ainda não acabou em razão da má vontade da presidente Dilma Roussef. “A presidente não tem interesse de acabar com este imbróglio, pois, quer tirar as terras dos produtores que são trabalhadores honestos, e passar para o domínio da União. E para isso, este governo utiliza a massa de manipulação indígena que não recebe o mínimo apoio para plantar, criar ou ter uma vida digna no campo”.

 

Convidados - Um dos participantes foi o pequeno produtor, Nelson Dotta, que possui uma pequena propriedade no município e que está na família há mais de 60 anos. “Estou aqui para apoiar meus vizinhos e amigos que tiveram as terras invadidas. São três, somente na minha região. Graças a Deus, minha terra nunca foi invadida, pois, ficaria impossível sobreviver. Sou um pequeno agricultor e retiro a subsistência minha e da minha família do que plantamos e criamos”, relatou.

 

A produtora Luana Ruiz esteve presente e lembrou que os produtores precisam participar mais ativamente, a fim de que possam pressionar o governo a tomar uma atitude definitiva. “Nós temos que começar a conscientização pela nossa categoria. Quando é que as pessoas vão entender a situação grave que vivemos? Quando acontecer com elas? Só uma união limpa e comprometida com o direito de propriedade conseguirá solucionar a situação de quem possui terra invadida e evitar novas invasões”, alertou.

 

Na avaliação de Luana, o encontro é o marco de uma mudança que será sentida daqui alguns anos e beneficiará tanto produtores, quanto indígenas. “Se relativizarmos hoje o poder de propriedade do produtor e da opinião pública, amanhã o governo poderá fazer o mesmo com nossas poupanças, salários e residências. Precisamos denunciar quais os reais interesses dos grupos indigenistas”, reforçou.

 

Próximos passos – Segundo Pedrossiam Filho, o movimento Grito do Produtor iniciou simbolicamente hoje (7) e pretende se estender para todos os Estados onde houver propriedades invadidas. “Vou começar visitando os 79 municípios do Estado, contando o que acontece neste conflito e qual é a situação dos produtores. Sei que não conseguiremos mudar a cabeça das pessoas do dia para noite, já que foram 30 anos de mentiras. Mas posso lhe garantir que não ficaremos mais quietos”, finalizou.

Foto: Geovanni Gomes
Foto: Geovanni Gomes
Foto: Geovanni Gomes

Veja também