Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
GOV FEMINICIDIO
Geral

IPI para eletrodomésticos da linha branca não tem data para mudar segundo Ministério da Fazenda

Economia

01 janeiro 2014 - 16h52Por Da Redação

As alíquotas atuais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para eletrodomésticos da linha branca vão continuar a valer, sem data prevista de mudança, informou ontem (31) o Ministério da Fazenda. 

De acordo com o ministério, quando as novas alíquotas foram anunciadas, em outubro de 2013, já não havia previsão de término da medida para eletrodomésticos da linha branca.

Na semana passada, o governo anunciou a mudança na alíquota do IPI para móveis de 3,5%, válida até 31 de dezembro de 2013, para 4%, a partir de 1º de janeiro. Também foram anunciadas mudanças nas alíquotas do IPI sobre automóveis.

Com isso, a alíquota do fogão continua em 4%; da geladeira, em 10%; do tanquinho, em 5% e da máquina de lavar, em 10%, como anunciado em outubro pelo governo.

Originalmente, o IPI da linha branca correspondia a 4% para os fogões, 10% para os tanquinhos, 15% para as geladeiras e 20% para as máquinas de lavar. Em abril de 2009, as alíquotas foram reduzidas, mas voltaram ao normal em fevereiro de 2010. Em dezembro de 2011, a linha branca teve nova desoneração. Os móveis e painéis pagavam originalmente 10% de IPI e estavam com a tributação reduzida desde novembro de 2009.

As alíquotas foram diminuídas e estão sendo gradualmente recompostas desde fevereiro deste ano. Ao reduzir as alíquotas, o objetivo do governo era estimular setores diante da crise econômica mundial.

Leia Também

PÁGINA VIRADA: sem constrangimento, Willian Waack comenta protesto de negros nos EUA
Geral
PÁGINA VIRADA: sem constrangimento, Willian Waack comenta protesto de negros nos EUA
PF diz ao STF que vai ouvir Bolsonaro por causa das acusações de Moro
Geral
PF diz ao STF que vai ouvir Bolsonaro por causa das acusações de Moro
Moro sugere que Bolsonaro usou lei anticrime para proteger o filho Flávio
Cidades
Moro sugere que Bolsonaro usou lei anticrime para proteger o filho Flávio
Maia diz que Bolsonaro não 'comprou' Centrão: 'relação democrática'
Geral
Maia diz que Bolsonaro não 'comprou' Centrão: 'relação democrática'