Menu
quarta, 25 de novembro de 2020
Geral

Joe Biden: os 'recados' do discurso da vitória

Biden prometeu “não dividir, mas unificar” o país, e ressaltou que irá governar para todos os americanos

08 novembro 2020 - 07h52Por Vinícius Squinelo

Joe Biden fez na noite deste sábado (7) o primeiro discurso como presidente eleito dos Estados Unidos. Em um pronunciamento de cerca de 15 minutos, Biden prometeu “não dividir, mas unificar” o país, e ressaltou que irá governar para todos os americanos, não apenas os democratas.

Biden também disse que o país precisa “resgatar a alma da América”, e que democratas e republicanos devem cooperar em favor dos americanos.

Veja abaixo os “recados” que Joe Biden deu em seu primeiro discurso após a vitória:

União e 'cura' do país
Joe Biden falou em unir o país, destacou que não há inimigos porque são todos americanos e afirmou que é tempo de "curar".

Quatro anos atrás, Trump até fez um discurso parecido ao vencer Hillary Clinton, mas o que se viu em seu governo foi bem diferente.

Em mais de uma ocasião, Trump apostou na crescente polarização do país como estratégia para tentar se reeleger, sendo, por exemplo, permissivo com movimentos supremacistas brancos. Ele agiu contra latinos e imigrantes, e ainda pediu que governadores endurecessem prisões contra manifestantes antirracistas.

Diálogo entre partidos
Trump apostou na polarização entre partidos, atacou o sistema eleitoral denunciando fraudes, sem apresentar provas. No discurso na noite de sábado, Biden pregou a cooperação e viu em sua eleição uma mensagem dos eleitores para mudar o rumo do país.

“Sou um democrata orgulhoso, mas vou governar como um presidente americano. Vamos acabar com essa demonização da América. Vamos fazer com que isso acabe, aqui, e agora. Essa recusa entre democratas e republicanos de não cooperarem não é uma força misteriosa fora do controle. É uma escolha que fazemos. Acredito que isso é parte do mandato que nos foi dado pelo povo americano. Eles querem que cooperemos no interesse deles.”

Coronavírus
Os EUA registraram recordes consecutivos de registros de novos casos, superando a marca de 120 mil novas infecções em um único dia, enquanto Donald Trump negava a pandemia, menosprezando a orientação de cientistas e não usando máscara em grandes comícios.

Sem uma política unificada e de peso para combater a doença, o país registrou mais de 9 milhões de casos confirmados e mais de 250 mil mortes.

Em seu discurso, Biden sinalizou que irá tratar o tema de forma diferente, nomeando cientistas e conselheiros para traçar um plano de combate à Covid-19, que entrará em curso assim que ele assumir o governo dos EUA.

“Nosso trabalho começa hoje: de ter a Covid-19 sob controle. Não podemos ter a economia restaurada com a doença que vai tirando vidas. Só conseguiremos recuperar a economia, quando tivermos isso [o coronavírus] sob controle.”

‘Alma americana’
Biden afirmou que pretende fazer com que seu governo "pareça com a América" e disse que quer conquistar a confiança de todos. Pesquisas prévias apontavam um crescente "medo" entre os americanos, caso o partido adversário ao que eles apoiam vencesse as eleições. Nas palavras de Biden, é preciso "dar um ao outro uma chance". Confira:

“Eu disse para vocês que queria que essa campanha parecesse com a América. Agora, vou fazer com que esse governo pareça com a América. Eu pedi e vocês também. Agora, vamos dar um ao outro uma chance. Vamos deixar de lado aquela retórica mais dura e fazer progresso.”

(com informações do G1)

Leia Também

Mãe e bebê de dois meses morrem após carro bater em coqueiro em Bonito
Interior
Mãe e bebê de dois meses morrem após carro bater em coqueiro em Bonito
Tumor retirado da cabeça de prefeito de Coxim é benigno, dizem médicos
Interior
Tumor retirado da cabeça de prefeito de Coxim é benigno, dizem médicos
Presidente da Fundação Palmares ataca: 'morto no Carrefour não era preto honrado'
Geral
Presidente da Fundação Palmares ataca: 'morto no Carrefour não era preto honrado'
Brasil tem 654 mortes por covid em 24h, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 654 mortes por covid em 24h, diz Ministério da Saúde