(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Mais de 100 jornalistas foram mortos em 2013, diz FIJ

Índice

12 JAN 2014
Congresso em Foco
15h19min

Um levantamento feito pela FIJ (Federação Internacional de Jornalistas) apontou que em 2013 foram assassinados  108  jornalistas  em todo o mundo.  Segundo a Federação, outros 15 profissionais da mídia  morreram em acidente de trabalho. A taxa de homicídios da categoria é ligeiramente inferior à registrada em 2012, quando 121 profissionais foram mortos em função do trabalho, de acordo com a entidade.

Cenário de um dos conflitos mais sangrentos da atualidade, a Síria lidera o ranking mundial de jornalistas mortos – 15 foram assassinados no país. Iraque, com 13 mortes, Paquistão, Filipinas e Índia, com dez cada, Somália, com sete, e Egito, com seis, completam o ranking dos países mais perigosos para jornalistas na atualidade.

No ano passado, cinco profissionais brasileiros foram mortos, segundo levantamentos da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV (Abert) e da ONG Repórteres sem Fronteiras. Pelo balanço da ONG, o aumento da violência nas Filipinas fez o Brasil deixar a lista dos cinco países mais violentos para jornalistas, que integrava em 2012.

De acordo com a Repórteres sem Fronteiras, 71 pessoas com atuação na imprensa foram assassinadas em 2013. Outros 39 “jornalistas cidadãos” e fontes também foram mortos em razão de informações que divulgaram ou repassaram. Apesar de ter apontado uma queda em relação ao ano anterior, quando foi registrado o recorde de 88 homicídios, a ONG vê com preocupação o crescimento da violência contra homens e mulheres que trabalham em veículos de comunicação. Em 2011, foram 67 mortes e, em 2010, 58.

Segundo o levantamento da ONG, a Síria, a Somália e o Paquistão são os países mais perigosos para jornalistas. Zonas de intenso conflito armado, os três países respondem juntos por 39% das mortes ocorridas ano passado. “Essas violações da liberdade de informação afetam todos os tipos de informantes, em sentido amplo, incluindo jornalistas profissionais, jornalistas cidadãos e internautas”, diz a Repórteres sem Fronteiras em seu relatório sobre liberdade de expressão, divulgado no dia 18 de dezembro.

Veja também