TJMS
(67) 99826-0686

Menino com câncer realiza sonho de surfar após amputar perna

Criança de 10 anos luta há 4 anos contra osteossarcoma, doença que afeta os ossos

13 SET 2019
G1
10h32min
Foto: Camila Lima/Sistema Verdes Mares

Receber o diagnóstico de câncer não é fácil. E gera um impacto ainda maior quando o paciente é uma criança. Esta realidade foi conhecida cedo por Juan Yure Chagas, de apenas 10 anos de idade, mas que há quatro anos está em tratamento contra osteossarcoma, tipo de câncer que afeta os ossos.

Ele, porém, encontrou no surfe uma forma de superar a doença. O menino cearense faz parte do grupo formado por 2.462 crianças e adolescentes atendidas no Hospital Peter Pan, em parceria com o Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), contra o câncer infantil, em Fortaleza.

No tratamento, Juan recebeu quimioterapia por dois anos e precisou amputar a perna direita. Por meio de um projeto social próximo de casa, na comunidade do Titanzinho, no Cais do Porto, capital cearense, ele passou a desenvolver um novo olhar sobre a vida. “Me sinto livre e muito bem. É muito bom saber que pessoas como eu sabem surfar, é incrível estar superando os limites”, declara sobre a atividade. Agora, uma vez por semana, ele faz aulas de surfe.

Foi em um acidente doméstico enquanto estava brincando que Juan machucou a perna e, ao realizar os exames posteriores, foi detectado o câncer, em novembro de 2014. “Foi um momento terrível, acabou com a gente no primeiro momento. Dois anos de muita dor e aflição, mas que tivemos apoio de amigos e do Hospital Peter Pan”, lembra Jenniffer Gomes Carneiro, mãe do menino.

Após receber alta médica, Juan passou a ser acompanhado a cada seis meses no Centro Pediátrico do Câncer e, então, a família teve a iniciativa de levá-lo à prática esportiva. “A gente conheceu o 'Projeto A Maré Vida', que é justamente para deficientes, e estamos lá”. Sobre os benefícios do esporte, Jenniffer percebe a alegria do filho. “Ajudou muito, ele gosta e diz que no mar se sente livre para fazer o que quiser e não sente que tem só um perna”, destaca.

Agora, Juan começa a guardar as primeiras medalhas dos campeonatos de surfe que participa. Nos sonhos, o desejo de ser surfista profissional. Ele não tem dificuldades para praticar o esporte nas pranchas comuns, mas precisa ter cuidados para não danificar a sua prótese. “O surfe é meu maior amor e os meus sonhos são muito altos. Conseguir juntar toda minha família, viver bem e poder todo dia ir para a praia brincar”, conclui.

Desafio familiar

Designer de sobrancelhas, a mulher precisou deixar o trabalho durante o tratamento de Juan para auxiliar seu esposo nos cuidados com o filho. “Tinha sido escolhida por uma empresa grande, ia ser bom para mim. Ia dar um futuro melhor para o meu filho e, logo na primeira semana, aconteceu isso”, conta.

Em meio à aflição com Juan, Jenniffer descobriu estar grávida e resolveu realizar em casa a atividade de estética para conseguir custear os gastos da família. “Montei meu próprio estúdio de sobrancelha em casa para a gente poder realizar o sonho de ter um carro”. Sobre a coragem para enfrentar os desafios, ela diz ter sido contaminada pela positividade do filho. “O próprio Juan nos deu força, sempre foi alegre e tinha fé”, aponta.

Campanha

Setembro ganhou o laço dourado para reforçar a importância do diagnóstico precoce do câncer infantil em meio às campanhas que alertam para os cuidados com a vida. “Na infância, os tipos de câncer que predominam são a leucemia e os tumores do sistema central”, explica Sandra Emília Prazeres, médica oncologista e gerente técnica da Associação Peter Pan.

Conforme a especialista, não há uma causa clara para o surgimento de câncer em crianças, mesmo com diversos estudos científicos na área. “Acredita-se que estejam ligados às questões genéticas, mas não se pode afirmar concretamente”, ressalta. Ainda assim, ela comenta que o tratamento feito no estágio inicial da doença aumenta as chances de cura.

Sobre o diagnóstico, Sandra destaca que é preciso estar atento aos sintomas que podem ser confundidos com doenças comuns da infância. Febre persistente, sem identificação da causa, e dores de cabeça que não passam, são exemplos ditos pela médica. “Não é um sinal isolado, uma criança que está com um quadro desse fica mais quieta sonolenta e perdendo peso”.

Veja também