TCE JUNHO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
segunda, 27 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Geral

Menino de 2 anos se recupera da covid-19 depois de 13 dias internado

Nicolas também teve sintomas de Síndrome de Kawasaki, marcada por inflamação nos vasos sanguíneos

07 julho 2020 - 10h37Por Rayani Santa Cruz

Com um diagnóstico de covid-19 e sintomas de uma síndrome rara o pequeno Nicollas de apenas dois anos, precisou mostrar a força de um guerreiro para vencer a batalha que enfrentou recentemente. O garoto ficou internado por 13 dias.

Conforme o G1, a família que reside em Itaquaquecetuba, na região metropolitana de São Paulo teve que passar por quatro hospitais até ter o diagnóstico correto.

Nicollas teve alta há cerca de duas semanas e agora dá sequência à recuperação em casa. De acordo com a mãe, Thamy de Sant'Anna Barros, ele ainda precisa de acompanhamento médico de perto e de algumas medicações. 

Sintomas 

Thamy conta que tudo começou no dia 3 de junho, quando Nicollas apresentou febre. A mãe achou que poderia se tratar de alguma infecção, então o pai, Elizeu Junior, levou o filho a um hospital em Itaquaquecetuba.

Ele teve a consulta e recebeu remédios para a febre. Em casa, os pais observaram que a febre não baixava. Nicollas começou a se queixar dores na barriga. A mãe imaginou que, por conta da febre, poderia ser infecção de urina, então novamente levou o filho ao hospital, onde foram feitos exames de sangue e de urina.

Ela diz que percebeu manchas vermelhas pelo corpo do menino e mesmo assim teve alta. Ela procurou outro hospital no dia seguinte e no local o médico disse que as manchas seriam exantemas, que não são uma doença, mas sim um sintoma de algum vírus. No outro dia, a criança estava com o olho inchado e com secreção, além de não estar se alimentando e bebendo água. Os pais procuraram uma clínica médica em Mogi das Cruzes.

"Ele já tinha mais manchinhas na região genital, os olhos estavam bem inchados e vermelhos. O corpo já tinha mais bolinhas. As mãos e os pés estavam bem gelados. A médica deu o diagnóstico de Síndrome de Kawasaki, mas disse que lá não podia me dar o suporte e que ele precisava ir para o hospital, fazer outros exames e receber soro imediatamente".

Os pais foram para um hospital perto da clínica e foram informados de que Nicollas precisaria ir para a UTI. Nicollas foi transferido para um hospital em São Bernardo do Campo, onde havia disponibilidade de leito no convênio. "A princípio, surgiu um outro diagnóstico, que era Covid, porque ele não tinha todos os sintomas do Kawasaki. E hoje se fala muito que elas têm uma relação. Não é uma via de regra, mas alguns sintomas nas crianças estão vindo acompanhados dessa síndrome". 

A Síndrome de Kawasaki é uma espécie de vasculite, isto é, uma inflamação nos vasos sanguíneos e que ainda não tem uma causa conhecida. Alguns de seus sintomas são a febre prolongada, o aparecimento de manchas pelo corpo, entre outros. É uma doença rara, que acontece principalmente em crianças com menos de 5 anos.

Em maio, uma rara doença inflamatória em crianças, com quadro semelhante ao da Síndrome de Kawasaki, foi associada ao novo coronavírus, tendo sido observada, na ocasião, em países como Reino Unido, França, Estados Unidos e Itália.

"O teste rápido, de imediato, deu positivo. Ficamos aguardando o teste do swab, que deu positivo também. Automaticamente já mudaram a administração de alguns medicamentos. Já no segundo diagnóstico, ele começou a se alimentar. Ele ficou mais ativo. A cada dia era uma melhora gradativa. Nós conseguíamos notar uma melhora significativa. Então aguardamos o organismo dele reagir aos medicamentos".

De acordo com Thamy, apesar da alta do hospital, Nicollas precisa continuar sendo acompanhado de perto e tomando medicações.

"O coraçãozinho dele deu uma dilatada na coronária. Eles estavam falando que era uma dilatação discreta, mas o Nicollas teria que fazer acompanhamento com três especialidades até os 4 aninhos dele. E também tomar medicação de uso contínuo, que é o que já estamos fazendo".